Trocar dinheiro por cartão ajuda a salvar o meio ambiente, diz estudo

 

Os consumidores podem ajudar a salvar o meio ambiente escolhendo efetuar pagamentos com cartão em vez de usar dinheiro, segundo um estudo do banco central da Holanda.

A energia consumida por uma transação com cartão de débito pode acender uma lâmpada de 8 watts por 90 minutos e a de uma compra feita com cédulas e moedas acenderia durante duas horas, escreveram os pesquisadores em trabalho publicado na segunda-feira (15).

O estudo é baseado em dados de 2015 da Holanda, onde os cartões de débito responderam por cerca de 99 por cento de todas as transações com cartões.

Com cerca de 19 bilhões de cédulas e 116 bilhões de moedas em circulação em 2015 na zona do euro, formada por 19 países, o aumento do uso de cartões poderia reduzir a pegada ecológica da região. São necessários mais energia e recursos para facilitar as transações em dinheiro — são usados cobre e estanho para a produção de moedas, os caminhões de transporte queimam combustíveis fósseis e os caixas eletrônicos consomem eletricidade.

O impacto ambiental das transações com cartões de débito se concentra mais em um único item: as máquinas usadas pelos comerciantes para processar pagamentos respondem por três quartos das emissões. Se esses terminais usassem energia renovável e não fossem mantidos em modo stand-by durante todo o dia, mais energia ainda poderia ser economizada, segundo os pesquisadores.

Ainda assim, embora a mudança para o plástico seja a opção mais ecológica, o impacto seria relativamente pequeno. Ambos os métodos de pagamento responderam por apenas 0,015 por cento das emissões de carbono da economia holandesa

Fonte: Xiaoqing Pi Da Bloomberg


Créditos: Ambiente Brasil