Segredos de árvores com mil anos de idade são descobertos

Folhas de ginkgo no outono. Fonte: Getty Images

Os cientistas descobriram o segredo de como a árvore do ginkgo pode viver por mais de 1.000 anos.

Um estudo descobriu que a árvore produz produtos químicos protetores que combatem doenças e secas.

E, diferentemente de muitas outras plantas, seus genes não são programados para desencadear um declínio inexorável quando a juventude acaba.

O ginkgo pode ser encontrado em parques e jardins em todo o mundo, mas está à beira da extinção na natureza.

“O segredo é manter um sistema de defesa realmente saudável e ser uma espécie que não possui um programa pré-determinado de senescência (envelhecimento)”, disse Richard Dixon, da Universidade do Norte do Texas, em Denton.

“À medida que as árvores de ginkgo envelhecem, elas não mostram evidências de enfraquecer sua capacidade de se defender do estresse”.

Um homem caminha sobre folhas caídas sob árvores de gingko quando o outono chega à capital chinesa, Pequim. Fonte: Getty Images

Ginkgo biloba (árvore Maidenhair)

  • Uma árvore de crescimento lento e grande;
  • Folhas amarelas atraentes no outono;
  • O ginkgo é nativo da China e o último sobrevivente de uma longa linhagem de árvores antigas, com fósseis conhecidos desde os tempos dos dinossauros;
  • As populações selvagens estão à beira da extinção devido à exploração madeireira, com populações selvagens confinadas à montanha Xitianmu em Zhejiang, China;
  • Listadas como ameaçadas de extinção na lista vermelha da IUCN de espécies ameaçadas (Ginkgo biloba).

Pesquisadores nos EUA e na China estudaram as árvores de ginkgo com idades entre 15 e 667 anos, extraindo anéis de árvores e analisando células, cascas, folhas e sementes. Eles descobriram que árvores jovens e velhas produzem substâncias químicas protetoras para combater o estresse causado por patógenos ou secas.

Isso inclui antioxidantes, antimicrobianos e hormônios vegetais que protegem contra a seca e outros estressores ambientais. Estudos genéticos mostraram que os genes relacionados ao envelhecimento não se ativam automaticamente em um determinado momento no tempo, como em outras plantas, como gramíneas e plantas anuais.

Assim, embora uma árvore que tenha vivido por séculos possa parecer enfraquecida devido a danos causados ​​pela geada ou por raios, todos os processos necessários para um crescimento saudável ainda estão funcionando.

As árvores de ginkgo crescem amplamente em jardins, inclusive no Royal Horticultural Society Wisley, Reino Unido.

Dixon suspeita que o quadro seja semelhante em outras árvores de vida longa, como a sequóia gigante, que possui madeira “embalada com produtos químicos antimicrobianos”.

“Esperamos que nosso estudo incentive outras pessoas a aprofundar o que parecem ser as características importantes para a longevidade do ginkgo e outras árvores de vida longa”.

Comentando sobre o estudo, Mark Gush, chefe de ciências hortícolas e ambientais da RHS (Royal Horticultural Society), disse que a árvore mais antiga do mundo – um pinheiro Bristlecone (Pinus longaeva) – tem mais de 4.800 anos.

“Além de um suprimento consistente de alimentos, luz e água, acredita-se que a capacidade de viver até uma idade tão grande esteja ligada a uma taxa de crescimento lenta, adaptações celulares e proteção relativa de influências secundárias, como pragas e doenças, extremos climáticos e catastróficos danos físicos”, disse ele.

E acrescenta, à medida que o Reino Unido embarca em um ambicioso programa de plantio de árvores, é provável que seja cada vez mais importante entender a mistura de espécies arbóreas que trarão as maiores recompensas do ecossistema a longo prazo e onde elas devem ser melhor plantadas.

Fonte: BBC News / Helen Briggs
Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:
https://www.bbc.com/news/science-environment-51063469


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *