Restringir o comércio de espécies ameaçadas pode sair pela culatra, provocando booms de mercado

Todos os anos, os seres humanos compram e vendem centenas de milhões de animais e plantas selvagens ao redor do mundo. Grande parte desse comércio é legal, mas o comércio ilegal e a colheita excessiva levaram muitas espécies à extinção.

Uma resposta comum é adotar proibições ao comércio de espécies em perigo ou ameaçadas. Mas pesquisas mostram que essa abordagem pode sair pela culatra. Restringir espécies de alto valor pode realmente desencadear booms de mercado.

Estudo a globalização ambiental e passei quase 10 anos analisando o comércio entre Madagascar e China de jacarandá ou – hong mu – em mandarim. O povo chinês usa esse termo para descrever 29 espécies de madeiras muito caras, muitas das quais estão ameaçadas.

Na minha pesquisa, vi as complexidades da proteção de espécies ameaçadas de extinção. Do lado da oferta e da demanda, restringir o comércio internacional de espécies ameaçadas de alto valor como o jacarandá pode às vezes causar mais mal do que bem.

Móveis e tábuas de jacarandá enchem um armazém no sul da China. George Zhu, CC BY-ND.

Tratados desencadeiam especulações

O principal tratado global que rege o comércio de animais silvestres é a Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Selvagens, ou CITES. Os membros da CITES se reúnem a cada dois ou três anos para ajustar as restrições comerciais às espécies-alvo. Nos mercados especulativos de hoje, as decisões da CITES podem desencadear uma dinâmica de mercado prejudicial.

Desde o início dos anos 2000, os mercados de certas espécies ameaçadas de alto valor – elefantes, rinocerontes, tigres e jacarandás – se transformaram fundamentalmente. As compras dos consumidores não provocam mais booms de mercado. Investimentos especulativos fazem.

Os investidores estão comprando espécies ameaçadas de extinção não para usar e possuir, mas antecipando que seus preços subirão. Essa mudança explica por que as restrições ao comércio internacional geralmente não protegem as espécies ameaçadas.

O jacarandá tornou-se o grupo mais traficado de espécies ameaçadas de extinção no mundo, de acordo com dados que abrangem 2005-2014. Annah Zhu, dados do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, CC BY.

Especulação de jacarandá superou animais grandes

A China é um grande participante do comércio ilegal de animais silvestres e o principal destino de muitas espécies traficadas. A economia chinesa também está sujeita a especulações desenfreadas que se manifestam em preços irregulares de imóveis e no mercado de ações. O jacarandá e muitas outras espécies ameaçadas de extinção também estão sujeitas a essa dinâmica especulativa.

O jacarandá é usado há séculos para fabricar móveis tradicionais chineses que remontam às dinastias Ming e Qing. Agora, devido a uma revitalização desse estilo, a madeira se tornou o grupo de animais silvestres mais traficados do mundo, superando o marfim, o chifre de rinoceronte e os grandes felinos juntos. Algumas espécies de jacarandá são avaliadas quase em seu peso em ouro.

Baús de jacarandá inacabados em uma fábrica de móveis em Zhongshan, China. George Zhu, Autor fornecido.

Na última década, o jacarandá se tornou um tipo de bolsa de valores – “um playground para investidores”, como uma conta descreveu. A Central de Televisão da China condenou a especulação no mercado de jacarandá como “mais feroz que o setor imobiliário”.

Dinâmicas semelhantes foram documentadas para chifres de marfim e rinoceronte. Assim como o jacarandá, o valor especulativo desses recursos provém mais da raridade do que do apelo cultural.

O “fenômeno Madagascar”

Nesse clima especulativo, as restrições ao comércio internacional sob a CITES aumentam a demanda, como aprendi ao entrevistar importadores de madeira em Xangai em 2014, 2015 e 2017.

A reunião da CITES em 2013, que impôs novas restrições ao comércio de jacarandá, provocou “fortes terremotos” neste mercado. Assim que as notícias dos regulamentos chegaram aos mercados chineses de madeira, os preços das espécies visadas subiram para valores recordes. O mesmo aconteceu após as reuniões da CITES em 2016 e 2019, onde o comércio de outras espécies de madeira se tornaram mais restritos.

De fato, a CITES é considerada um “fusível” que acende novas rondas de especulação no mercado. O efeito tem sido tão pronunciado para o jacarandá de Madagascar que os importadores chineses de madeira o chamam de “fenômeno de Madagascar”.

Twitter CITES.

Luta do Presidente Xi Jinping

Depois de assumir o cargo em 2013, o presidente Xi Jinping embarcou em uma campanha anticorrupção maciça que atingiu duramente muitos mercados de luxo chineses. Novas leis não relacionadas ao meio ambiente fizeram mais para reduzir o tráfego de jacarandá e outras espécies ameaçadas de extinção do que a maioria das restrições comerciais internacionais.

O presidente chinês Xi Jinping iniciou uma campanha anticorrupção que reduziu inesperadamente a demanda por certas espécies ameaçadas de extinção, como o jacarandá. AP.

Os importadores de madeira chineses que entrevistei estimaram que a campanha anticorrupção de Xi reduziu as vendas de jacarandá em 30% a 50%. As empresas pararam de cortejar políticos com luxuosos móveis de jacarandá. As vendas de sopa de barbatana de tubarão e outras iguarias derivadas de espécies ameaçadas também caíram acentuadamente.

Esse efeito foi amplamente acidental. As espécies ameaçadas de extinção são a principal ferramenta para subornar políticos na China.

A China também adotou medidas mais diretas, como uma proibição nacional bem-sucedida do comércio de marfim adotada em 2017. Diferentemente das proibições de comércio internacional, que os chineses têm menos probabilidade de seguir em casa, as proibições domésticas enviam sinais aos investidores de que os preços cairão no futuro.

Tais proibições domésticas enfraqueceram o potencial especulativo das partes de marfim, chifre de rinoceronte e tigre. Os investidores descarregam os estoques antecipando as proibições, levando potencialmente a “vendas de fogo”. Os preços despencam e os investidores não querem especular.

Plantações de jacarandá

Em resposta aos preços exorbitantes do jacarandá e à diminuição da oferta, o governo chinês e os investidores privados estão adotando outra estratégia: estabelecer plantações de jacarandá no sul da China.

Visitei três dessas plantações na província de Guangdong em 2018, incluindo uma plantação de demonstração de 2.000 hectares administrada pelo governo. Eles estavam repletos de madeiras ameaçadas de extinção de toda a Ásia, bem como “economias subestimadas” de bens cultivados abaixo das árvores, como chás premium, ervas para medicina chinesa e galinhas caipiras, que fornecem apoio financeiro para o cultivo das árvores. Essas plantações estão sendo promovidas como uma maneira ecológica e econômica de sustentar as espécies.

Repórteres na China afirmam que o país está “na vanguarda do mundo” no estabelecimento de plantações de madeira em extinção. Poucos países promovem esse tipo de silvicultura em uma escala comparável. As organizações internacionais de conservação geralmente se concentram na restrição da exploração madeireira e do comércio.

Uma plantação de demonstração administrada pelo governo nutre algumas das árvores conhecidas coletivamente como jacarandá. Annah Zhu, CC BY-ND.

No entanto, acredito que as pessoas que vivem em locais onde o jacarandá ainda cresce são mais propensas a serem receptivas a investimentos em florestas sustentáveis ​​do que a restrições comerciais e financiamento para milícias de conservação anti-madeireiras. Concentrar-se apenas em restringir a exploração madeireira e o comércio de jacarandá frequentemente capacita um pequeno grupo de exportadores de elite que têm acesso ilícito à demanda no exterior, sem beneficiar a comunidade em geral. A mesma dinâmica ocorre nas economias de outros recursos ameaçados, incluindo peças de marfim, chifre de rinoceronte e tigre.

Os esforços para reduzir o comércio de espécies ameaçadas de extinção serão mais eficazes se vierem da China, em vez de serem impostos internacionalmente. Para o jacarandá, em particular, vejo políticas criativas que incentivam o reflorestamento e a silvicultura sustentável como um caminho mais promissor do que as restrições comerciais internacionais apoiadas por campanhas de conservação militarizadas.

Fonte: The Conversation / Annah Lake Zhu
Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:
https://theconversation.com/restricting-trade-in-endangered-species-can-backfire-triggering-market-booms-124869


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *