Qual é o ponto fraco do tardígrado, a criatura mais resistente do planeta

Tardígrado no microscópio
Os tardígrados podem sobreviver a temperaturas extremas, sendo quase indestrutíveis

A estratégia de sobrevivência dos tardígrados, animais microscópicos conhecidos como “ursos d’água”, é simples, porém eficaz: eles retraem suas oito patas e a cabeça e se deixam desidratar.

Assim, ainda essas criaturas sejam atiradas em uma fogueira, submetidas ao vácuo do espaço ou congeladas, elas sobreviverão.

Não à toa, são conhecidas como as criaturas mais resistentes do planeta.

Mas um grupo de cientistas da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, identificou o que pode ser uma ameaça para esses seres aparentemente indestrutíveis: o aquecimento global.

Uma pesquisa de 2018 já havia alertado que a espécie de tardígrado que vive na Antártida, a Acutuncus antarcticus, poderia ser extinta devido ao aumento da temperatura dos oceanos.

Mas, na semana passada, pesquisadores da universidade dinamarquesa publicaram um estudo sugerindo que outra espécie, a Ramazzottius varieornatus, apresenta o mesmo ponto fraco.

A pesquisa se baseou em espécies encontradas em países nórdicos, segundo informou Ricardo Cardozo Neves, principal autor do estudo, publicado na revista científica Scientific Report.

Gelo no Ártico
O aquecimento global pode ser o principal inimigo dos tardígrados

“Nossos resultados mostram que os tardígrados metabolicamente ativos são vulneráveis ​​a altas temperaturas; no entanto, a aclimatação poderia fornecer uma maior tolerância a essas temperaturas “, observa o estudo.

Não é a temperatura, é questão de tempo

Em estudos anteriores, os cientistas descobriram que os tardígrados têm o que parece ser uma espécie de superpoder.

Quando desidratam, eles retraem a cabeça e as oito patas, se encolhendo em uma pequena bola, e entram em um estado profundo de animação suspensa que se parece muito com a morte.

Eles perdem quase toda a água do corpo — e seu metabolismo diminui para 0,01% da taxa normal.

E tem mais: quando estão ativos, são capazes de suportar temperaturas de até 150 graus acima e abaixo de zero.

Mas é aí que vem a pergunta: se são tão resistentes, quanto a temperatura da água teria que aumentar para ser um problema?

Segundo os cientistas, não se trata da temperatura, mas do tempo de exposição a ela.

Tardígrado na água
Os tardígrados são pequenas criaturas de oito patas com menos de um milímetro de comprimento

Durante o estudo, apenas as 50% das espécies metabolicamente ativas submetidas a temperaturas de 37,1º C, sem aclimatação, por 24 horas, conseguiram sobreviver.

Isso mostrou, de acordo com Cardozo Neves, que o aumento da temperatura no planeta poderia ser praticamente letal para as espécies.

“Podemos concluir que os tardígrados ativos são vulneráveis ​​a altas temperaturas que permanecem constantes”, afirma o pesquisador na publicação.

“Mas com uma aclimatação prévia, é possível que essas criaturas possam se adaptar ao aumento das temperaturas em seu habitat natural.”

No estudo, as amostras da espécie que foram aclimatadas antes de serem submetidas a 37,1º C conseguiram sobreviver em maior porcentagem.

E, se estavam desidratadas, conseguiam suportar temperaturas próximas a 60° C.

“Os tardígrados desidratados são muito mais resistentes e podem suportar temperaturas muito mais altas do que os tardígrados ativos.”

“No entanto, o tempo de exposição é claramente um fator que limita sua tolerância a altas temperaturas “, conclui o estudo.

Fonte: BBC


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *