O ritmo mais rápido das mudanças climáticas é ‘assustador’, diz ex-cientista-chefe

O professor Sir David King diz estar assustado com o número de eventos extremos e pediu que o Reino Unido para avançar com suas metas climáticas em 10 anos.

Mas o chefe do clima da ONU disse que usar palavras como “medo” pode deixar os jovens deprimidos e ansiosos.

Os ativistas argumentam que as pessoas não agirão a menos que sintam medo.

Falando à BBC, o professor King, ex-consultor científico chefe do governo, disse: “É apropriado ter medo. Previmos que as temperaturas aumentariam, mas não prevíamos esse tipo de evento extremo que estamos recebendo tão cedo.”

Ele disse que o mundo mudou mais rapidamente do que o previsto no quinto relatório de avaliação do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (IPCC) em 2014.

Ele se referiu especialmente à perda de gelo terrestre e marítimo e aos extremos climáticos em que afirmou que o aquecimento provavelmente desempenha um papel importante.

Vários outros cientistas contatados pela BBC apoiaram sua linguagem emotiva.

O físico Prof. Jo Haigh, do Imperial College London, disse: “David King está certo em ter medo – eu também estou com medo”.

“Fazemos a análise, pensamos o que vai acontecer e depois publicamos de uma maneira muito científica”.

“Então temos uma resposta humana a isso … e é assustador”.

Petteri Taalas, secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência especializada da ONU, disse que apoia totalmente as metas climáticas das Nações Unidas, mas criticou os ativistas radicais verdes por prever o fim do mundo.

É o capítulo mais recente do longo debate sobre como comunicar a ciência climática ao público.

A linguagem emotiva deixará os jovens deprimidos?

O Dr. Taalas concorda que o gelo polar está derretendo mais rápido do que o esperado, mas está preocupado que o medo do público que possa levar à paralisia – e também a problemas de saúde mental entre os jovens.

“Estamos totalmente atrás da ciência climática e atrás da (próxima) cúpula climática de Nova York”, disse ele.

“Mas eu quero me ater aos fatos, que são bastante convincentes e dramáticos o suficiente. Devemos evitar interpretá-los demais.

“Quando eu era jovem, tínhamos medo da guerra nuclear. Nós pensamos seriamente que era melhor não ter filhos.

“Estou sentindo o mesmo sentimento entre os jovens no momento. Portanto, temos que ter um pouco de cuidado com o nosso estilo de comunicação. ”

Ele disse que a maioria das mudanças estava dentro da faixa de previsão do IPCC – embora algumas – como o gelo polar – estivessem no topo da faixa.

O cientista polar Andrew Shepherd, da Universidade de Leeds, concordou com essa avaliação.

Ele também disse que os cientistas normalmente evitam termos emocionais: “Eu não usaria o termo (assustador) de forma geral, mas é certamente surpreendente ver perdas de gelo recorde (ou quase recorde). 2019 foi um ano ruim para o gelo da Terra. “

Parece, no entanto, que alguns cientistas acreditam que suas comunicações no passado falharam em provocar uma resposta emocional que convenceria o público a agir.

O Telegraph relata que os psicólogos que trabalham com a Universidade de Bath estão aconselhando um número crescente de jovens que sofrem de eco-ansiedade.

No entanto, alguns cientistas parecem acreditar que suas comunicações no passado falharam em provocar uma resposta emocional que convenceria o público a agir.

Os cientistas concordam que a mudança climática é assustadora?

Testamos as visões do professor King com os principais autores do quinto relatório de avaliação (AR5) do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), publicado em 2014.

O consenso entre os que responderam foi que os modelos climáticos haviam previsto com precisão o aumento da temperatura média global.

Fonte: NASA

Mas os modelos não eram suficientemente sofisticados para prever eventos como a onda de calor européia extrema deste ano ou o lento furacão Dorian – descrito pela Nasa como “extraordinário” e “um cenário de pesadelo”.

Outros mencionaram derretimento intenso de gelo nos pólos; Tasmânia sofrendo secas e inundações recordes em anos consecutivos; registros de incêndios florestais no Ártico e dois grandes ciclones sem precedentes em Moçambique em um ano.

Mudanças ‘antecipadas por décadas’

Gerald Meehl, cientista sênior do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica dos EUA (NCAR) em Boulder, Colorado, nos disse que estava prevendo mudanças como essas há quatro décadas, embora não tivesse certeza de quando chegariam.

“Sinto a inevitabilidade entorpecente de tudo”, disse ele.

Poucos dos cientistas que contatamos acreditavam que os governos fariam o que fosse necessário para resgatar o clima a tempo.

Eles estão alarmados com o fato de o aquecimento global de pouco mais de 1°C até agora já ter criado um novo normal no qual os recordes históricos de temperatura serão inevitavelmente quebrados com maior frequência. Este é o lado previsível das mudanças climáticas.

Prof. King argumenta que algumas mudanças não foram bem previstas.

Qual é a ciência por trás de eventos climáticos extremos?

A perda de gelo terrestre na Antártica, por exemplo, está na faixa superior de previsões do IPCC AR5. E há perdas recordes de gelo na Groenlândia.

Depois, há a onda de calor francesa deste ano.

Temperaturas extremas e contínuas na França em julho levaram a secas em algumas áreas. Fonte: Getty Images

A Dra. Friederike Otto, da Universidade de Oxford, é especialista na atribuição de eventos extremos às mudanças climáticas.

Ela nos disse que em um mundo de pré-mudança climática, uma onda de calor como essa pode ocorrer uma vez a cada 1.000 anos.

Em um mundo pós-aquecimento, a onda de calor era um fenômeno de um em 100 anos.

Em outras palavras, a variabilidade natural está amplificando o aquecimento climático induzido pelo homem.

“Com as ondas de calor européias, percebemos que as mudanças climáticas mudam totalmente o jogo”, disse ela. “Aumentou a probabilidade (de eventos) em termos de magnitude”.

Os pesquisadores ainda não tiveram tempo de investigar as ligações entre todos os principais eventos climáticos extremos e as mudanças climáticas, disse ela.

Com alguns fenômenos como secas e inundações, ainda não havia evidências claras de qualquer envolvimento das mudanças climáticas.

E era impossível ter certeza de que o lento progresso do Dorian foi causado pelas mudanças climáticas.

“Mal podemos esperar pela certeza científica”

O professor King disse que o mundo não podia esperar por segurança científica em eventos como o furacão Dorian. “Os cientistas gostam de ter certeza”, disse ele.

“Mas esses eventos são sobre probabilidades. Qual é a probabilidade de (Dorian) ser um evento de mudança climática? Eu vou dizer ‘muito alto’.

“Não posso dizer isso com 100% de certeza, mas o que posso dizer é que a energia do furacão vem do oceano quente e se esse oceano esquentar, devemos esperar mais energia nos furacões”.

Ele continuou: “Se você pegasse um avião com uma chance em 100 de cair, ficaria assustado.

“Mas estamos experimentando o clima de uma maneira que gera probabilidades de consequências muito graves do que isso.”

O furacão Dorian carregava ventos contínuos de 295 km/h quando atingiu o solo. Fonte: Getty Images

O Reino Unido deve trazer metas climáticas mais cedo?

Pierre Friedlingstein, da Universidade de Exeter, disse que ficou surpreso com a arremetida do clima extremo. Ele disse que espera que extremos ocorram como previsto pelo IPCC – mas não os esperava tão rapidamente.

King disse que a situação é tão grave que o Reino Unido deve antecipar sua data para reduzir as emissões de gases de efeito estufa para quase zero entre 2050 e 2040.

Alguns dos cientistas do IPCC que contatamos não compartilharam seu desejo de se envolver com o público em um nível emocional.

Outros concordaram com ele.

John Church, da Universidade de New South Wales, em Sydney, Austrália, nos disse: “Algumas coisas parecem estar acontecendo mais rápido do que o projetado. Isso pode estar parcialmente relacionado à interação das mudanças climáticas e variabilidade natural, bem como à incerteza em nosso entendimento e projeções.

“Na minha própria área de mudança do nível do mar, as coisas estão acontecendo perto da extremidade superior das projeções.

“O que é assustador é a nossa falta de resposta apropriada. Nossa contínua falta de ação está comprometendo o mundo com mudanças importantes e essencialmente irreversíveis. ”

Fonte: BBC Future / Roger Harrabin
Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:
https://www.bbc.com/news/science-environment-49689018


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *