Mudança climática: limites de velocidade para navios podem trazer benefícios “enormes”

Fonte: Getty Images

Reduzir a velocidade dos navios traz enormes benefícios para os seres humanos, a natureza e o clima, de acordo com um novo relatório.

Uma redução de 20% reduziria os gases de efeito estufa, mas também reduziria os poluentes que prejudicam a saúde humana, como o carbono preto e os óxidos de nitrogênio.

Esse limite de velocidade reduziria o ruído subaquático em 66% e reduziria as chances de colisões com baleias em 78%.

Os negociadores da ONU se reunirão em Londres nesta semana para considerar propostas para conter as velocidades marítimas.

Navios, de todos os tipos e tamanhos, transportam cerca de 80% dos produtos do mundo. No entanto, eles também são responsáveis ​​por uma parcela significativa das emissões globais de efeito estufa, graças à queima de combustível.

O transporte marítimo gera aproximadamente 3% do total global de gases do aquecimento – aproximadamente a mesma quantidade emitida pela Alemanha.

Embora o transporte marítimo não tenha sido coberto pelo acordo climático de Paris, no ano passado a indústria concordou em reduzir as emissões em 50% até 2050 em comparação com os níveis de 2008.

Este novo estudo, realizado pelos grupos Seas at Risk e Transport & Environment (Mares em Risco & Transporte e Meio Ambiente), baseia-se em pesquisas existentes que sugerem que desacelerar navios é uma boa ideia se você deseja reduzir os gases de efeito estufa.

O relatório também considera uma série de outras questões da redução de velocidade, como a poluição do ar e o ruído marinho.

À medida que os navios viajam mais lentamente, eles consomem menos combustível, o que significa que também há economia de óxidos de carbono preto, enxofre e nitrogênio. Os dois últimos, em particular, têm sérios impactos na saúde humana, principalmente nas cidades e áreas costeiras próximas às rotas de navegação.

O relatório constatou que reduzir a velocidade do navio em 20% reduziria os óxidos de enxofre e nitrogênio em cerca de 24%. Também há reduções significativas no carbono preto, que são minúsculas partículas negras contidas na fumaça dos escapamentos dos navios.

Diminuir a velocidade dos navios reduziria a quantidade de combustível queimado. Fonte:
Getty Images

O corte do carbono preto ajuda a limitar o aquecimento climático na região do Ártico, porque quando os navios queimam combustível nas águas geladas do norte, as partículas frequentemente caem na neve e restringem sua capacidade de refletir a luz solar, o que acelera o aquecimento na região do Ártico.

O estudo também diz que um corte de 20% na velocidade reduziria a poluição sonora em dois terços – enquanto a mesma limitação de velocidade reduziria as chances de um navio colidir com uma baleia em 78%.

“É uma massiva relação de ganha-ganha”, disse John Maggs, do Seas at Risk.

“Temos uma vitória do ponto de vista climático, uma vitória do ponto de vista da saúde humana, uma vitória para a natureza marinha, um potencial ganho de segurança e até um certo ponto, estamos economizando o dinheiro da indústria de transporte”.

“É também, de longe, a mais simples das opções regulatórias. Graças aos satélites e transponders em embarcações comerciais, é realmente muito fácil rastrear seus movimentos e a velocidade que eles estão viajando”.

As propostas para reduzir a velocidade dos navios estão entre as ideias que serão consideradas na reunião desta semana da Organização Marítima Internacional (OMI) em Londres.

Fonte: Getty Images

Uma proposta da França se concentraria em navios petroleiros e graneleiros, mas não em contêineres ou navios de cruzeiro. A Dinamarca está propondo que o setor tenha um padrão baseado em objetivos chave, onde cabe às empresas de transporte individual definirem o modo como elas o cumprem.

Muitas companhias de navegação são favoráveis ​​à desaceleração.

“A lenta navegação não apenas reduz os custos de combustível, mas sua aplicação não exige procedimentos demorados, pois pode ser implementada instantaneamente, não requer investimento dos donos dos navios, pode ser facilmente monitorada e é o meio mais eficiente de reduzir as emissões de CO2” disse Ioanna Procopiou, proprietário de uma companhia de navegação grega.

Mas a ideia não é apoiada por alguns dos maiores nomes do comércio.

“A Maersk continua sendo contrária aos limites de velocidade”, disse Simon Christopher Bergulf, diretor de assuntos regulatórios do gigantesco conglomerado naval dinamarquês.

“Em vez disso, apoiamos o princípio de aplicar medidas de limitação de potência. O foco na potência, em vez dos limites de velocidade, ajudará a cumprir as metas de redução de CO2 estabelecidas pela OMI , além de recompensar os navios mais eficientes”.

O que dá esperança aos ativistas é que o transporte marítimo já tenha experimentado o conceito de desacelerar em 2008, durante a crise financeira global, os navios de carga desaceleraram para cortar custos. Com as velocidades médias caindo 12%, isso ajudou a reduzir o consumo diário de combustível em 27%, o que equivale a uma queda significativa nas emissões.

Os ativistas acreditam que qualquer decisão que a OMI venha a tomar envolverá uma navegação mais lenta.

“A medida de curto prazo, seja qual for, reduzirá a velocidade do navio”, disse John Maggs.

“Acreditamos que a melhor maneira de fazer isso de forma mais eficaz é com um limite de velocidade direto, se nós conseguimos ou não isso é desconhecido, mas os navios terão que desacelerar no futuro”.

Fonte: BBC News / Matt McGrath
Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:
https://www.bbc.com/news/science-environment-50348321


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *