Moda ecológica, será que essa moda pega?

Ciclo Produtivo de Roupas Ecológicas. Fonte: Puput.

A moda ecológica, ainda tímida nas prateleiras das lojas, surgiu com a ideia de pensarmos no ciclo produtivo total do produto a ser adquirido, pensando desde as matérias primas que serão utilizadas, a forma de confecção, o transporte, a utilização da peça pelo consumidor e a destinação dos materiais, fechando desta forma o ciclo do produto a ser comercializado.

Além disto, inclui-se também no conceito da moda ecológica, a forma como os resíduos são destinados durante o processo de confecção de roupas, joias e utensílios, passando por uma análise prévia das possibilidades de reciclagem e reutilização dos materiais. Dentre as formas de reciclagem e reutilização dos produtos por exemplo, é o aproveitamento de retalhos, fibras cortadas, restos de estampas corridas e reciclagem de garrafas pet.

Ou seja, a moda ecológica vai além do ato de comprar algo, sendo inserido no processo produtivo todo o pensamento socioambiental de preservação dos recursos naturais e dos ecossistemas.

Tipos de Materiais Alternativos

A escolha dos materiais e as
matérias primas que serão usadas na confecção das roupas é um ponto essencial
na moda ecológica, onde usualmente, são optados por tecidos e fibras
biodegradáveis e com produção mais sustentável, ou seja, sem utilização de
produtos químicos e pesticidas. Isto porque, sob ponto de vista ecológico, os
materiais como o poliéster e nylon utilizam grande quantidade de químicos para
sua fabricação, podendo gerar impactos ao meio ambiente e o aumento de
poluentes no ar, no solo e na água. Por outro lado, a lã, a seda e o algodão,
que são tecidos naturais, não necessitam de grande quantidade de produtos
químicos para a confecção.

Quando as roupas são produzidas
por algodão orgânico por exemplo, significa que o processo de produção deste
algodão foi feito de forma menos impactante ao ambiente, com a utilização de
métodos naturais no controle de pragas das plantações, reduzindo o risco de
exposição dos trabalhadores no campo, do solo e dos rios próximos.

Outra possibilidade que também é aplicada, são as fibras recicladas, ou seja, materiais que seriam resíduos na fabricação, mas que ganham um novo uso na própria produção ou na produção de outras fábricas, como é o caso dos retalhos anteriormente citado.

As novas soluções e inovações de otimização do uso dos recursos hídricos são igualmente importantes, uma vez que a fabricação de apenas uma calça jeans consome cerca de 11 mil litros de água, as práticas mais sustentáveis tornam-se vantajosas economicamente e reduzem o uso deste importante recurso natural.

Em termos dos efluentes que são gerados nas fábricas de confecção, em especial os corantes, são vistos sob conceito da moda ecológica como oportunidade de inovação, utilizando corantes naturais advindos de materiais vegetais, o que reduz por consequência o esforço e custo necessários para tratamento do efluente gerado.

Exemplos de Fabricação de Blusas Ecológicas

Um dos exemplos mais conhecidos
é a confecção de blusas a partir de garrafas pet, sendo mostrado abaixo as
etapas principais para este tipo de fabricação:

  1. Separação: Processo de separação das garrafas por cores e retiradas de tampas e rótulos;
  2. Lavagem: Etapa onde as garrafas são lavadas e secadas;
  3. Trituração: Etapa utilizada para moer as garrafas reduzindo-a em pequenos pedaços;
  4. Aquecer: Processo de fusão a temperatura aproximada de 300 °C, filtragem e retirada de impurezas;
  5. Criação da Fibra: Etapa onde equipamentos separam o material em filamentos criando fibra 20% mais fina que o algodão;
  6. Estiragem: Processo onde as fibras são transformadas em fio;
  7. Confecção: Etapa final para confecção das roupas com garrafa pet, onde é possível conciliar os fios da garrafa pet com seda, bambu e algodão.
Passo a passo da fabricação de blusas a partir da garrafa pet. Fonte: ZonaECO.

Estima-se que são utilizadas duas garrafas pet por camiseta confeccionada, além do reaproveitamento de um resíduo que demora aproximadamente 100 anos para se decompor, o estímulo a geração de renda e oportunidades de trabalho a catadores de resíduos recicláveis torna todo o processo benéfico a sociedade e ao meio ambiente.

Exemplos da Fabricação de Acessórios Ecológicos

Na área de acessórios, as fabricações mais sustentáveis também estão em ascensão, seja da utilização de materiais que seriam descartados, como sobras do coco, sobras de sementes diversas e metais reciclados, como do uso de matérias primas naturais desde o ciclo inicial, como é o caso de produtos feitos como bambu e madeira, conforme o exemplo na figura a seguir.

Exemplo relógio feito de madeira e bambu. Fonte: MafiaWood.

O crescimento de grandes joalherias e de divulgações de marcas eco friendly por famosos é notado, sendo criado o chamado ouro ético, que definiu marcos para a mineração da matéria prima ser mais sustentável e com maior segurança aos trabalhadores envolvidos no processo, um exemplo de quem aderiu a este método desde 2013 foi a famosa joalheria Suíça, a Chopard.

Inserção da Moda Ecológica por Grandes Marcas

A prática da sustentabilidade no ramo da moda é algo que a princípio beira ao contraditório, tendo em vista que é um setor, assim como outros, com grandes estímulos de marketing voltados ao consumo regular e frequente das roupas.

Entretanto, o arcabouço de
legislação ambiental, que define diretrizes de como as empresas devem atender
as práticas de proteção aos recursos naturais; bem como a conscientização dos
consumidores, que neste mundo globalizado pressionam para práticas mais
ecológicas e eco friendly, vem levando as grandes marcas começarem a
construir coleções mais sustentáveis e a criar espaços nas araras de roupas em
suas lojas.

Como exemplo têm-se a marca Osklen, que desde a década de 90 vem apostando na produção sustentável, utilizando seda orgânica tingida com corantes naturais, algodão orgânico e PET reciclado.

Camisas Osklen de algodão orgânico. Fonte: AcontecendoAqui.

A marca Vert Shoes, apostou em tênis 100% veganos, que utilizam algodão orgânico cultivado por famílias que vivem da agricultura orgânica no semiárido nordestino, além do couro curtido com tanino vegetal e borracha nativa da Amazônia.

Exemplo de tênis vegano da marca Vert Shoes. Fonte: Vert Shoes.

No ramo das roupas jeans, a Yes I am Jeans, que possui fábricas em São Paulo e Minas Gerais, apostou como meta utilizar o mínimo de produtos químicos, priorizando cartela neutra de cores, com lavanderias que utilizam práticas de menor impacto ambiental em seus processos e instalação de estações de tratamento de efluente nas fábricas, requisito obrigatório pertencente ao arcabouço de leis ambientais para o setor.

Imagem de Divulgação da Marca Yes I am Jeans. Fonte: Yes I am Jeans.

A globalização e facilidade que atualmente existe de divulgar conteúdo e informações na internet, pode ser citado como um dos aliados à maior popularidade da moda ecológica, e da comercialização de produtos mais sustentáveis como um todo.

Tal fato, aliado a consumidores mais conscientes que buscam marcas comprometidas com o propósito de repensar a forma como os produtos são fabricados e formulação de legislações que reforcem práticas necessárias a prevenção de impactos ao meio ambiente são essenciais para que essa moda não seja passageira, e sim uma evolução da forma como produzidos e pensamos nas próximas gerações.

Maria Beatriz Ayello Leite
Redação Ambientebrasil


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *