Ilha nos EUA confia em muro para evitar desaparecimento

Foto do porto da ilha de Tangier
Dois terços da ilha de Tangier já foram levados pela água

Tangier é uma ilha pantanosa na Baía de Chesapeake, um largo estuário localizado cerca de 145 quilômetros ao sul da capital dos EUA, Washington. De barco, é preciso uma hora para chegar à ilha de apenas três quilômetros quadrados.

Esse isolamento garantiu que uma cultura única tenha se desenvolvido por lá nos últimos 240 anos. Quase 500 pessoas vivem na ilha, a maioria cristãos conservadores. Eles falam um dialeto que não existe em nenhum outro lugar e não têm cobertura de celular. Para se locomover, os insulanos usam principalmente a bicicleta ou o carrinho de golfe, quando não vão a pé.

Quem se aproxima da ilha logo percebe o quanto ela é vulnerável. As casas e as árvores ao longo da costa parecem submersas. Na maré alta, a água retorna frequentemente da canalização de esgoto, inundando ruas e jardins.

Há séculos furacões assolam Tangier, onde os habitantes sobreviveram a epidemias e estão acostumados a catástrofes. No entanto, em breve, eles poderão enfrentar algo sem precedentes: sua ilha poderá desaparecer completamente. Hoje, seu ponto mais alto se encontra a pouco mais de um metro acima do nível do mar. Desde meados do século 20, a ilha já perdeu dois terços de sua superfície para a água.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) diz ver a causa do aumento do nível do oceano nas mudanças climáticas. Alguns pesquisadores acreditam até que o solo pode afundar. Os insulanos, no entanto, não querem escutá-los. Eles estão convencidos de que a única razão para a erosão é que a água escorre pelas portas da frente.

“É possível ver isso, especialmente depois das tempestades”, diz James Eskridge, prefeito da ilha, de 60 anos, “mas simplesmente não vemos um aumento do nível do mar aqui.”

Dwayne Crockett, professor de história da escola local, concorda e cita a Bíblia para provar sua convicção: “Depois que Noé e seus animais na arca sobreviveram, Deus lhes prometeu: ‘Nunca mais destruirei a Terra com um dilúvio!'”. Crockett e Eskridge também disseram que brincavam em jardins e ruas inundadas quando crianças.

“A erosão sempre foi a nossa grande preocupação”, explica Crockett. “Eu me lembro de quando eu era um garotinho, a parte oeste de nossa ilha foi inundada num ritmo alarmante, ameaçando nossa pista e nossa estação de tratamento de esgoto. Finalmente, o Estado construiu um paredão na parte oeste e, graças a Deus, a erosão na área parou 100%.”

Resgate por Trump

Ao lado do prefeito da cidade, ele luta agora pela construção de um muro ao redor de toda a ilha. E os dois encontraram um inesperado aliado: o presidente Donald Trump, que tomou conhecimento de Tangier a partir de uma reportagem da emissora CNN, que entrevistou Eskridge.

A matéria abordava o amplo apoio a Trump na eleição presidencial de 2016 – mais de 85% dos insulanos votaram no atual presidente dos EUA. “O que o prefeito gostaria de dizer ao presidente?”, perguntou a CNN. “Digam que gosto muito dele, como se ele fizesse parte da minha família”, respondeu Eskridge.

Foto de rua inundada na ilha de Tangier
Ruas e jardins inundados não são incomuns em Tangier

Trump assistiu à reportagem de TV e quis conversar com seu fã. “Eu estava lá fora pegando caranguejos”, lembra Eskridge. “Era segunda-feira de manhã e meu filho veio me buscar. Ele disse que eu tinha que voltar para casa porque o presidente queria falar comigo. Eu disse: ‘O presidente de quê?'”

Eskridge achava que alguém queria lhe passar um trote. Mas logo depois, ele falou com Trump, que fez promessas vagas para apoiar seu plano. Desde então, o prefeito se reuniu três vezes com membros do governo Trump, como também vieram especialistas do Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA.

Ele também disse ter conversado com repórteres de 22 países, na esperança de que o destino de sua ilha atraísse a atenção internacional.

“Não estamos falando apenas de um pedaço de terra”, diz o prefeito. “Estamos falando de famílias, de uma comunidade, uma cultura e um modo de vida. Nós produzimos uma grande quantidade de peixes e frutos do mar e, desde a Primeira Guerra Mundial, muitas pessoas daqui serviram nas Forças Armadas. Nós éramos considerados importantes, então eu espero que ainda sejamos.”

“Vejo Tangier como um teste”, explica Crockett. “Se não conseguirem salvar uma pequena ilha de 450 pessoas, então podem esquecer grandes cidades, como Nova York ou Boston.”

Os ambientalistas também se pronunciaram. Para eles, trata-se da salvação de um habitat importante. “É uma área maravilhosa para a vida selvagem”, comenta Jim Gott, proprietário do hostel Bay View Inn. “Este é um importante local de descanso para aves migratórias e borboletas. A perda da ilha teria consequências devastadoras para elas.”

O estado da Virgínia concordou recentemente em construir um paredão de pedra simples para proteger o porto de Tangier – um projeto que está sendo discutido há quase 20 anos. A obra deverá custar 3 milhões de dólares, mas um muro de alto padrão que circundaria toda a ilha sairia muito mais caro. O Corpo de Engenheiros do Exército solicitou fundos para realizar um estudo de viabilidade e fornecer uma estimativa realista de custos.

Mudança climática ou apenas erosão?

Foto do prefeito de Tangier, James Eskridge
Prefeito James Eskridge conta com a ajuda de Donald Trump

“As tempestades na área têm aumentado e se tornado mais violentas”, afirma o biólogo marinho Jill Bieri, da ONG Nature Conservancy. “Tangier está sentindo os efeitos.” Sua proposta seria proteger a ilha com um recife artificial de ostras contra as ondas destrutivas.

Esses recifes são feitos de entulhos de concreto, aos quais as conchas aderem debaixo d’água para formar uma barreira natural. A erosão também poderia ser minimizada através do nivelamento da costa e do plantio de espécies adaptadas à água salgada, ou por meio da reposição de areia bombeada do fundo da Baía de Chesapeake sobre a ilha.

No entanto, ninguém sabe dizer com certeza se Tangier pode realmente ser salva ou por quanto tempo. “A taxa de erosão está aumentando”, afirma Bieri. “Isso se deve ao aumento do nível do mar. Eu também não posso dizer se um paredão pode salvar a ilha ou não. Mas duvido que, no longo prazo, possamos proteger qualquer coisa com algo feito pelo homem do que vai acontecer naturalmente em regiões costeiras.”

No momento, os insulanos conseguem lidar com as inundações. O início do ano letivo é adiado frequentemente. Deslocar-se pela ilha também pode se tornar um desafio, comenta a dona de restaurante Maureen Gott. Quando ela e o marido compraram o prédio, há sete anos, eles não estavam cientes de quantas vezes enfrentariam enchentes.

“Depende da Lua: lua nova, lua cheia, direção do vento, velocidade do vento, se houver uma tempestade ou não”, explica. E mesmo se um furacão não atingir a área diretamente, a forte chuva que varre a região faz com que os rios encham e a água corra para a Baía de Chesapeake. E isso também traz problemas para Tangier.

Há apenas más notícias? Não. Pelo menos o turismo foi impulsionado pela presença na mídia e pelo futuro incerto da ilha. Alex Shtogren, por exemplo, veio de Baltimore para passar um fim de semana. Ele disse que estava interessado no estilo de vida antigo e incomum dos insulanos. “Eu queria ver isso enquanto ainda existe”, diz. “Dizem que este é o ground zero das mudanças climáticas, então pensei: é agora ou nunca”.

Fonte: Deutsche Welle


Créditos: Ambiente Brasil