Ilha japonesa perto da Rússia desaparece e ninguém percebeu

Mapa do Japão (Foto: Maximilian Dörrbecker (Chumwa)/Wikimedia Commons)
CÍRCULO TRACEJADO EXIBE A ILHA DESAPARECIDA (FOTO: MAXIMILIAN DÖRRBECKER (CHUMWA)/WIKIMEDIA COMMONS)

pequena e desabitada ilha Esanbe Hanakita Kojima, do Japão, não existe mais. Ela estava em um catálogo de ilhas japonesas remotas, elaborado em 2014, mas agora não há sinais de sua presença.

Não está claro se a ilha ainda existia mesmo quando foi registrada. A última vez que o governo japonês foi formalmente até ela aconteceu em 1978, e pescadores evitavam a área porque ela aparecia em mapas como um recife subaquático.

Os habitantes locais não haviam notado o sumiço, e talvez não soubessem disso se não fosse por um escritor. O autor Hiroshi Shimizu está escrevendo um livro sobre as ilhas “escondidas” do Japão e viajou para a região com a ideia de estudá-las. Quando não encontrou o território, uma cooperativa de pesca confirmou ao escritor que a ilha havia sumido.

É provável que o vento e o gelo à deriva ao longo de décadas tenham “corroído” a ilha, conforme relatou a guarda costeira o Japão – que ainda pretende analisar o local para garantir formalmente a inexistência da área.

De acordo com o jornal japonês Asahi Shinbun, o desaparecimento da ilha pode ter implicações territoriais para o país.

Como a ilha está localizada no mar entre o Japão e a Rússia, a perda criará uma lacuna maior entre os dois territórios, segundo a revista Newsweek. Esanbe Hanakita Kojima foi usada como território formal do Japão, o que significa que a área era japonesa. Os russos também fizeram essa estratégia, nomeando um punhado de ilhas para expandir suas fronteiras.

Fonte: Revista Galileu


Créditos: Ambiente Brasil