Ilha de Páscoa une ciência ao conhecimento tradicional para enfrentar desafios ambientais

Como outras comunidades insulares no Oceano Pacífico, a Ilha de Páscoa enfrenta o impacto adverso da mudança climática, da maré de plástico e de outros desafios ambientais, e está buscando soluções inovadoras para enfrentá-los.

“Estamos muito conscientes da mudança climática. Uma das consequências mais graves é a erosão de nossos sítios arqueológicos. Corremos o risco de perder nossa herança cultural”, diz Camilo Rapu, que também lidera a comunidade Mau Henua, que reúne moradores de ascendência rapanui. O relato é da ONU Meio Ambiente.

Ondas cada vez mais fortes estão erodindo petróglifos e moai, as estátuas colossais icônicas da Ilha de Páscoa. Foto: pixabay/voltamax (CC)
Ondas cada vez mais fortes estão erodindo petróglifos e moai, as estátuas colossais icônicas da Ilha de Páscoa. Foto: pixabay/voltamax (CC)

Ondas quebram furiosamente contra a costa e os penhascos de Rapanui, mais conhecida como Ilha de Páscoa, a ilha habitada mais remota do planeta.

Camilo Rapu, diretor do Parque Nacional de Rapanui, aponta para alguns petróglifos antigos empoleirados na beira de um penhasco erodido. “Já perdemos peças inestimáveis ​​esculpidas em rochas aqui. Elas simplesmente desabaram no mar por causa do poder das ondas”, diz ele.

A elevação do nível do mar está ameaçando o patrimônio único desta ilha, localizada no Oceano Pacífico, a 3.700 quilômetros da costa continental do Chile. Ondas cada vez mais fortes estão erodindo petróglifos e moai, as estátuas colossais icônicas da ilha que representam os ancestrais, bem como as plataformas, ou ahu, sobre as quais elas estão localizadas.

Cerca de 900 moai e 300 ahu foram criados por descendentes de colonos da Polinésia Oriental entre os séculos 11 e 17, dando forma a uma paisagem incomparável em Rapanui.

Essas joias arqueológicas são listadas como Patrimônio Mundial da UNESCO e representam a principal atração para o turismo, do qual a economia da ilha depende.

Como outras comunidades insulares no Oceano Pacífico, a Ilha de Páscoa enfrenta o impacto adverso da mudança climática, da maré de plástico e de outros desafios ambientais, e está buscando soluções inovadoras para enfrentá-los.

“Estamos muito conscientes da mudança climática. Uma das consequências mais graves é a erosão de nossos sítios arqueológicos. Corremos o risco de perder nossa herança cultural. É por isso que precisamos pensar diferente e buscar formas inovadoras de preservá-la”, diz Camilo Rapu, que também lidera a comunidade Mau Henua, que reúne moradores de ascendência rapanui encarregados de administrar o parque desde 2016.

Cerca de 40% dos 8 mil habitantes da ilha são rapanuis.

Um paredão para segurar as ondas foi construído em um local conhecido como Runga Va’e. Outras soluções estão sendo discutidas, como o uso de pedras mais estáveis ​​para ancorar os petróglifos. No entanto, muito mais será necessário para que os ilhéus se adaptem aos dois piores efeitos da mudança climática: inundação costeira e escassez de água.

“Já não chove como antes, e nossa agricultura tradicional está sendo afetada”, diz Juan Haoa, que lidera um projeto agroecológico na Toki, uma organização local. O método ancestral rapanui é adotado no manavai, ou as paredes de pedra que contém a umidade do solo e protegem as culturas de batata-doce, inhame e cana-de-açúcar. As paredes estavam situadas em locais baixos e sombreados.

O manavai ainda é usado hoje, mas devido à falta de água, o sistema se mostra menos eficiente do que no passado. Juan Haoa está combinando conhecimento tradicional com ciência para identificar novas estratégias para produzir mais e diversificar as culturas. Ele tem apenas um objetivo em mente: contribuir para a segurança alimentar da ilha.

Haoa está usando um sistema de coleta de água da chuva para as novas culturas, que incluem vegetais e frutas nunca cultivadas na ilha.

“Noventa e cinco por cento de toda a nossa comida vem do continente — não podemos mais ser tão dependentes. A ilha tem o potencial de ser auto-suficiente. Precisamos preservar nossas antigas tradições, mas trabalhar ao mesmo tempo em garantir nossa segurança alimentar e, por que não, um dia pensar em exportar nossos produtos”, diz Haoa.

No Parque Nacional, que cobre cerca de 40% da ilha e recebe 100.000 visitantes todos os anos, várias tecnologias limpas também estão sendo implementadas: banheiros ecológicos, painéis solares e biodigestores.

“Ninguém melhor que os locais para cuidar dessa herança. Pouco a pouco, instalamos novas tecnologias no parque”, afirma Lavinia Paté, diretora adjunta do Parque Rapanui.

Barato, fácil de gerenciar e movimentado, os biodigestores quebram restos de comida e outros materiais orgânicos e colhem o metano que produzem. Eles então geram biogás que pode ser usado para cozinhar e substituir os fogões a lenha. Pelo menos seis biodigestores foram instalados no Parque Rapanui, que também tem painéis solares.

Em novembro, a primeira usina fotovoltaica, com uma instalação de 400 painéis e uma capacidade de 100 Kw, começou a operar. A usina solar irá substituir pelo menos 8% do consumo de diesel na ilha.

No parque, não há latas de lixo. A comunidade rapanui espera que os turistas não produzam resíduos ou os descartem nas lixeiras de reciclagem dos hotéis. Sacos plásticos agora são regulamentados na ilha, e seus habitantes estão tentando cumprir a proibição nacional desses itens de plástico de uso único.

O Chile produz 3,2 bilhões de sacolas plásticas todos os anos, e apenas 10% são recicladas. A legislação promulgada em agosto dá seis meses para grandes empresas e dois anos para pequenas lojas eliminarem o uso de sacolas plásticas.

A Ilha de Páscoa, como outras ilhas remotas icônicas, como o arquipélago de Galápagos, no Equador, não é estranha à maré de plástico. Cerca de 13 milhões de toneladas de plástico são despejadas no oceano todos os anos e correntes poderosas transportam os destroços para os cantos mais isolados do planeta.

A Ilha de Páscoa é pequena, com apenas 16.628 hectares, mas os restos de pesca derivados de práticas insustentáveis ​​e o lixo dos cruzeiros visitantes chegam à costa. A areia em Anakena, a principal praia da ilha, está repleta de microplásticos.

Em um centro de reciclagem chamado Orito, 20 toneladas de plástico, papelão e alumínio são coletadas e enviadas de avião todos os meses para o Chile continental para serem recicladas. Responde por cerca de 10% de todos os resíduos gerados na ilha. O restante vai para um aterro.

“Também estamos coletando baterias, óleos, pneus e lixo eletrônico e estamos procurando parcerias com empresas no Chile ou outros países”, diz Marco Haoa, gerente de operações da usina de reciclagem.

“Nosso objetivo é transportar todo o lixo reciclável para o continente até 2020”, garante.

Em fevereiro, o Chile ganhou aplausos em todo o mundo ao declarar na Ilha de Páscoa uma reserva marinha protegida de 724.000 km2, uma das maiores da região. As indústrias pesqueira e extrativista serão banidas dentro da área, mas métodos artesanais rapanui para captura de peixes serão promovidos. Os rapanuis participarão do manejo desta reserva marinha, como já fazem na reserva terrestre.

“É um grande passo”, diz Pedro Edmunds Paoa, prefeito da Ilha de Páscoa. “O desafio agora é tentar lembrar e perguntar a nós mesmos: o que nossos ancestrais fizeram para proteger o mar? O que vem à mente é o conceito rapanui de ‘tapu’, que significa fim do ciclo da pesca. Séculos atrás, eles já permitiam o reabastecimento por meio de estoques”, diz ele.

O conhecimento tradicional oferece uma perspectiva inigualável para a gestão marinha em comunidades com fortes relações com o mar.

De Palau ao Havaí e Guam, várias ilhas do Pacífico, como a Ilha de Páscoa, estão tentando garantir a subsistência local através da inovação, preservando suas práticas milenares.

“Estamos prontos para buscar soluções inovadoras, para mostrar ao mundo que, apesar de estarmos tão isolados, podemos cuidar desse pequeno lugar que pertence a todos”, diz Lavinia Paté.

Fonte:  ONU


Créditos: Ambiente Brasil