Espanha entra em alerta após urso-pardo ‘francês’ matar 8 ovelhas

Sorita, um dos dois ursos soltos pela França no final do ano passado
A França reintroduziu dois ursos-pardos na natureza em outubro do ano passado.

Um urso-pardo solto nos Pirineus franceses, uma área montanhosa na fronteira da França, matou oito ovelhas no país vizinho, a Espanha.

As mortes fizeram com que autoridades dos dois países ficassem em alerta.

Claverina, um urso-pardo fêmea, está agora perambulando pelas montanhas de Navarra, depois de cruzar a fronteira de Bearne, no sudoeste da França.

Autoridades ambientais espanholas estão se reunindo com colegas franceses para buscar alternativas para encontrar o animal.

Funcionários dos dois governos já colocaram dispositivos de rastreamento em algumas ovelhas que poderiam virar alvo do urso – também há planos para usar cães de guarda na busca.

Tentativa de repovoamento

Claverina e outra fêmea, Sorita, são oriundas da Eslovênia.

Elas foram reintroduzidas na natureza em Bearne em outubro passado, porque a população de ursos daquela região é pequena – há apenas dois outros animais, ambos do sexo masculino.

Sorita sendo movimentada em gaiola de helicóptero, em outubro de 2018
Image captionA operação para levar Sorita à França usou até um helicóptero

A ação foi controversa: houve protestos de alguns agricultores na França e na Espanha diante do risco de perderem suas ovelhas.

Os alpes da Eslovênia têm mais de 500 ursos-pardos. O país está ajudando a Agência Nacional de Caça e Vida Selvagem da França (ONCFS) a reintroduzir os mamíferos na região dos Pireneus – a caça diminuiu o número de ursos da região consideravelmente.

Um censo realizado no ano passado encontrou 40 ursos-pardos em outros pontos dos Pireneus franceses.

Sorita, a companheira de Claverina, da Eslovênia, deu à luz dois filhotes no inverno, informou a agência de notícias AFP. A notícia veio a público depois que os ursos saíram da hibernação.

Testes de DNA mostraram que Claverina e Sorita não são da mesma família – um fator importante no projeto para restaurar a população de ursos.

Ambos os ursos adultos têm dispositivos de rastreamento: eles indicaram que Claverina era muito mais aventureira do que Sorita, que ficou nas altas montanhas no lado francês dos Pireneus.

As autoridades espanholas querem que a França compartilhe os dados dos rastreadores para que os pastores de Navarra possam acompanhar os movimentos dos ursos. Atualmente, eles só descobrem a localização de Claverina com várias horas de atraso.

Sorita foi sedada antes de chegar aos Pirineus franceses, em outubro do ano passado
Image captionSorita foi sedada antes de chegar aos Pirineus franceses

Segundo a ONCFS, agência francesa de caça e vida selvagem, o raio de movimentação de um típico urso-pardo fêmea é de cerca de 100 km², o que representa apenas um décimo do tamanho de um macho adulto.

A mídia espanhola diz que Claverina atacou sete vezes na área de Navarra: três ataques ocorreram no início de maio e quatro em novembro do ano passado, antes de ela hibernar. Oito ovelhas morreram.

Fome antes da hibernação

Especialista em ursos-pardos, Guillermo Palomero afirma que o verão seco na Espanha deixou as duas ursas com poucas nozes e bolotas (frutos do carvalho) para comer antes da hibernação, apesar de Sorita ter encontrado mais tarde uma árvore com muitas unidades. Ele disse que Claverina começou a atacar ovelhas “para armazenar a gordura que ela precisava” para o inverno.

Recentemente, as autoridades de Navarra deram a pastores 18 dispositivos de geolocalização para suas ovelhas, e um total de 34 serão implantados no total. A ideia é alertar os pastores se seus rebanhos começarem a agir de maneira estranha.

Os fazendeiros da região também estão comprando cães de caça para evitar a presença dos ursos.

Outra medida defensiva é usar compartimentos móveis especiais – eles conseguem “trancar” as ovelhas e impedir a entrada de animais externos. No entanto, pastores de Navarra tradicionalmente deixam seus rebanhos vagar livremente na primavera e no verão.

Reportagem do jornal espanhol El País mostrou que criadores de ovelhas nas vizinhanças de Aragão e da Catalunha também estão em alerta pela presença de ursos na área.

Além dos ursos-pardos vindos da França, a Espanha tem outros 300 animais em suas montanhas do norte da Cantábria.

Fonte: BBC


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *