Enorme revisão científica descobre que inteligência dos cachorros “não é excepcional”

Pesquisadores da Universidade de Exeter e da Universidade Christ Church de Canterbury descobriram, em uma enorme revisão bibliográfica, que a inteligência dos cachorros não é nada excepcional. A descoberta foi baseada na comparação entre evidências do poder cerebral canino com outros animais domésticos, outros caçadores sociais e outros carnívoros (ordem que inclui vai dos cães até ursos e leões).

O estudo examinou mais de 300 artigos sobre a inteligência de cães e outros animais e descobriu vários casos em que houve um certo exagero na interpretação favorecendo as habilidades caninas. “Durante nosso trabalho, nos pareceu que muitas pesquisas sobre a cognição dos cachorros se propunham a ‘provar’ quão inteligentes os cães são”, declarou o pesquisador Stephen Lea, da Universidade de Exeter, em comunicado.

Lea explica que com frequência cães são comparados com chimpanzés e, sempre que o cachorro “ganha”, isso se soma à reputação canina como algo fora do normal. “Porém, em todo e qualquer caso nós encontrados outras espécies de comparação válida que se saem pelo menos tão bem quanto os cachorros nessas tarefas”, diz.

A revisão levou em consideração habilidades de cognição sensorial, cognição física, cognição especial, cognição social e auto-conhecimento. “Levando os três grupos (animais domésticos, caçadores sociais e carnívoros) em consideração, a cognição do cachorro não parece excepcional”, afirmou Britta Osthaus, da Universidade Christ Church de Canterbury.

“Nós não estamos fazendo nenhum favor aos cães ao esperar demais deles. Cachorros são cachorros e nós precisamos ter suas necessidades e verdadeiras habilidades em conta quando consideramos como tratá-los”, concluiu a pesquisadora.

O artigo foi publicado na revista “Learning & Behavior”. [Universidade de ExeterPhys.org]

Fonte: Hypescience


Créditos: Ambiente Brasil