Dinossauros tinham super pulmões que lhes ajudaram a sobreviver

as características evolutivas dos Velociraptores permitiam que eles corressem super rápido e los ajudou a sobreviver na era Mesozóica (Foto: Divulgação Chinese Academy of Sciences)
AS CARACTERÍSTICAS EVOLUTIVAS DOS VELOCIRAPTORES PERMITIAM QUE ELES CORRESSEM SUPER RÁPIDO E LOS AJUDOU A SOBREVIVER NA ERA MESOZÓICA (FOTO: DIVULGAÇÃO CHINESE ACADEMY OF SCIENCES)

oxigênio rarefeito da era Mesozoica tornava quase impossível alguma criatura se mover rapidamente. Os velociraptores, no entanto, eram a exceção: os dinossauros que ficaram conhecidos por fazer companhia ao ator Chris Pratt na franquia “Jurassic World” tinham a capacidade de correr 64 quilômetros por hora.

Um estudo publicado no periódico britânico Royal Society Open Science revela que esses dinossauros tinham “super pulmões”. Segundo os paleobiólogos Robert Brocklehurst e William Sellers, da Universidade de Manchester, no Reino Unido, e a bióloga Emma Schachner, do Centro de Ciências da Saúde da Louisiana, nos Estados Unidos, esses órgãos permitiam que os dinossauros conguissem bombear uma quantidade acima da média de oxigênio, de forma parecida com o sistema respiratório das aves.

A grande diferença do sistema respiratório das aves para o dos humanos e mamíferos, no geral, é que os pássaros possuem sacos de ar especiais que ficam acomodados ao lado dos pulmões. Isso facilita que o ar seja bombeado e que o oxigênio se difunda na corrente sanguínea. Além disso, os pulmões ficam bem presos nas vértebras da ave, favorecendo a rigidez do órgão.

Usando modelos de computador, os pesquisadores compararam as formas esqueléticas, tais como vértebras e costelas, de aves e animais não-viários, e de diversas espécies de dinossauros. Muitos desses deles, como os terópodes, velociraptores e espinossauros, tinham uma composição pulmonar semelhante às das aves que mantinham os pulmões rígidos, o que lhes colocavam à frente das outras espécies.

Os cientistas acreditam que os super pulmões podem ser a explicação do porquê esses dinossauros conseguiam dominar a região onde viviam, se manterem vivos e se reproduzirem reproduzirem apesar das condições não-favoráveis da Era Mesozoica. Na época, o ar era composto de apenas 10% a 15% de oxigênio, milhões de anos depois, hoje, essa porcentagem subiu para 20%.

No entanto, apesar de ter sido uma grande descoberta, Jingmai O’Connor, paleontologista do Instituto de Paleontologia de Vertebrados e Paleoantropologia da Academia Chinesa de Ciências, em Pequim, faz uma ressalva: encontrar um fóssil que tem uma estrutura pulmonar semelhante a dos pássaros não significa obrigatoriamente que os dinossauros realmente tiveram esses super pulmões. Para ela, uma prova mais concreta e decisiva seria encontrar um tecido pulmonar que pudesse ser analisado. O problema é que é  difícil que eles estejam em boas condições para isso, devido a quantidade de anos que se passaram.

Fonte: Revista Galileu

 


Créditos: Ambiente Brasil