Descoberta rã extraordinária nos Andes

Uma nova espécie de rã-arborícola foi descoberta durante uma expedição de duas semanas a uma remota montanha na Cordilheira do Condor, uma área amplamente inexplorada dos Andes, no Equador.

Os pesquisadores Santiago R. Ron, Marcel Caminer, Andrea Varela e Diego Almeida, da Universidade Católica do Equador, realizaram análises genéticas e morfológicas para concluir que o animal representava uma espécie até então desconhecida.

A rã tem uma estrutura extraordinária, semelhante a uma garra, localizada na base do polegar. Sua função é desconhecida, mas os cientistas teorizam que pode ser usada tanto como defesa contra predadores quanto como arma em disputas entre machos competidores.

Hyloscirtus hillisi

O nome da espécie, Hyloscirtus hillisi, homenageia o Dr. David Hillis, membro da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos da América, que descobriu três espécies de rãs estreitamente relacionadas do mesmo gênero na década de 1980, enquanto realizava uma série de viagens aos Andes no sul do Equador. Ao longo de sua carreira, o Dr. Hillis fez contribuições significativas para o conhecimento dos anfíbios e répteis andinos.

“Para chegar à montanha, andamos dois dias ao longo de um terreno íngreme. Então, entre o suor e a exaustão, chegamos ao topo onde encontramos uma floresta anã. Os rios tinham águas negras e as rãs estavam sentados ao longo deles, em galhos marrons de cor semelhante à dos próprios animais. As rãs eram difíceis de se enxergar, porque se misturavam com o seu ambiente”, contou Alex Achig, um dos biólogos que descobriu a nova espécie, ao Phys.org.

Apesar de ter sido descrita agora, a Hyloscirtus hillisi já está em risco de extinção. Como a dificuldade da expedição já aponta, a rã habita uma pequena faixa de distribuição geográfica, próxima a uma operação de mineração em larga escala realizada por uma empresa chinesa.

A destruição de habitats na região foi recentemente documentada pela ONG Amazon Conservation.

Um artigo sobre o achado foi publicado na revista científica ZooKeys.

Fonte: Hypescience


Créditos: Ambiente Brasil