Conheça o Pampa, o bioma menos protegido do país

Máquinas acabam de fazer a colheita na região de Dom Pedrito (RS). Várias dessas terras costumavam …
Máquinas acabam de fazer a colheita na região de Dom Pedrito (RS). Várias dessas terras costumavam ser áreas de criação de animais, atividade compatível com a conservação da vegetação nativa.
FOTO DE SARITA REED/NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL
Areal em fazenda na cidade de Alegrete (RS). Os bancos de areia são fenômenos naturais, mas …
Areal em fazenda na cidade de Alegrete (RS). Os bancos de areia são fenômenos naturais, mas a erosão causada pela intensa atividade humana os transformou em uma ameaça a áreas de campo.
FOTO DE VINÍCIUS FONTANA/NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL
Os campos sulinos contribuem para o sequestro de carbono na atmosfera e no controle da erosão. …
Os campos sulinos contribuem para o sequestro de carbono na atmosfera e no controle da erosão. Estima-se que mais de 3 mil espécies de plantas possam existir nos Pampas , nem todas ainda foram catalogadas.
FOTO DE VINÍCIUS FONTANA/NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL
Apenas 47,3% da vegetação nativa do Pampa está preservada. Esse é também o bioma brasileiro com …
Apenas 47,3% da vegetação nativa do Pampa está preservada. Esse é também o bioma brasileiro com a menor área dentro de unidades de conservação no país: somente 3,3%, segundo o Ibama.
FOTO DE SARITA REED/NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL
Grandes áreas alagadas, conhecidas como charcos, são importantes estuários de vida selvagem. Essas águas têm sido …
Grandes áreas alagadas, conhecidas como charcos, são importantes estuários de vida selvagem. Essas águas têm sido expostas à contaminação pelo uso de insumos agrícolas.
FOTO DE SARITA REED/NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL
Gavião solitário espera momento de sair à caça. Cerca de 500 espécies de aves vivem no …
Gavião solitário espera momento de sair à caça. Cerca de 500 espécies de aves vivem no Pampa, muitas delas migratórias.
FOTO DE SARITA REED/NATIONAL GEOGRAPHIC BRASIL

Fonte: National Geographic


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *