Como o aquecimento global vai espalhar uma ‘praga bíblica’

invasão de gafanhotos
Saná, capital do Iêmen, foi invadida por gafanhotos em julho passado

Em 27 de julho, imagens de uma “invasão” de insetos em Las Vegas percorreram o mundo.

Eles foram atraídos principalmente pelas luzes ofuscantes da cidade e, apesar do susto, causaram mais incômodo do que estragos.

Ao mesmo tempo, uma nuvem de insetos no Iêmen, um país devastado pela fome e pela guerra civil, chamou muito menos atenção, mas foi mais preocupante.

Eles eram gafanhotos, cujo apetite pode causar danos consideráveis ​​às plantações em mais de 60 países – principalmente na África, no Oriente Médio e na Ásia Central.

Esses eventos podem se tornar uma ocorrência mais frequente – os especialistas temem que a mudança climática faça os insetos agirem de maneira mais destrutiva e imprevisível.

Enxame com fome

Já existem evidências de que o aumento da temperatura terá um efeito direto sobre o metabolismo dos insetos.

Um estudo de 2018 publicado por cientistas americanos na revista Science mostrou que o clima mais quente os torna mais ativos e mais propensos a se reproduzir.

Isso também torna as criaturas geralmente mais famintas. Um gafanhoto adulto do deserto é capaz de comer o equivalente a seu próprio peso corporal em um dia.

Gafanhotos do deserto
Gafanhotos do deserto formam rapidamente enxames e são uma ameaça à segurança alimentar

Monitoramento

Os pesquisadores estimaram que os danos globais causados ​​por pragas de insetos a trigo, arroz e milho podem aumentar de 10% a 25% por grau Celsius de aquecimento.

O impacto desse dano pode ocorrer em regiões de clima temperado, onde a maioria dos grãos é produzida.

“Com exceção dos trópicos, temperaturas mais altas aumentam as taxas reprodutivas de insetos. Você tem mais insetos e eles comem mais”, escreveu Curtis Deutsch, um dos autores do estudo de 2018.

Embora os gafanhotos não sejam a única espécie a devorar culturas, eles são os mais monitorados por autoridades nacionais e internacionais, graças ao seu potencial destrutivo.

Os esforços nas últimas quatro décadas os mantiveram afastados, mas tem havido surtos graves, como a infestação africana em 2004, que causou danos estimados de US$ 2,5 bilhões para as lavouras.

Homem com gafanhotos
Temperaturas mais altas fazem com que insetos comam mais e criem mais – incluindo gafanhotos

Segurança alimentar

Embora seja estimado que a proporção global de todos os danos causados ​​por gafanhotos em cultivos seja relativamente pequena em relação a outros insetos – os acadêmicos a estimam em apenas 0,2% – o efeito do enxame em uma determinada localidade pode ser devastador.

“Condições mais secas no futuro nos limites norte e sul da área de distribuição de gafanhotos do deserto podem produzir habitats mais favoráveis ​​para esta espécie e podem ter impactos negativos importantes”, diz o entomologista Michel Lecoq, um dos maiores especialistas em gafanhotos do mundo.

“Os riscos em termos de danos às culturas, pastagens e, em última instância, à segurança alimentar e social de muitas pessoas pobres nos países em desenvolvimento podem ser enormes”, adverte Le Coq.

Gafanhotos
Gafanhotos têm apetites vorazes e podem rapidamente causar grandes danos às culturas

História destrutiva

Pragas do tipo mais devastador, os gafanhotos do deserto, têm o potencial de prejudicar a subsistência de 10% da população mundial, segundo a FAO – Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura.

Um enxame “pequeno” come a mesma quantidade de comida em um dia que cerca de 35 mil pessoas.

Seus “petiscos” favoritos incluem grãos básicos como arroz, milho e trigo.

Essas criaturas são alguns dos inimigos mais antigos da humanidade – eles até apareceram na Bíblia e no Alcorão.

No mundo antigo, o historiador romano Plínio, o Velho, escreveu que 800 mil pessoas haviam morrido na região que atualmente engloba Líbia, Argélia e Tunísia devido à fome causada por uma praga de gafanhotos.

Praga de gafanhotos
Os gafanhotos são uma das mais antigas pragas conhecidas pelos homens e são mencionados na Bíblia e no Alcorão

Mais recentemente, em 1958, na Etiópia, um enxame de gafanhotos que cobriu mais de mil quilômetros quadrados destruiu 167 mil toneladas de grãos – o suficiente para alimentar um milhão de pessoas por um ano.

As regiões temperadas serão mais afetadas pelos insetos com mais fome porque seu metabolismo diminui se ficar muito quente, o que já é o caso em áreas tropicais.

Em 2016, especialistas suspeitam que tenha havido influência do aquecimento global quando a Argentina enfrentou sua maior infestação de gafanhotos em 60 anos.

Acredita-se que um inverno mais quente e mais úmido desencadeou o fenômeno.

Voos mais altos e mais longos

A FAO, que coordena uma rede de monitoramento global especificamente para atividades de gafanhotos no deserto, também alerta que as mudanças climáticas podem resultar em condições mais favoráveis ​​para a migração e a distância percorrida – os gafanhotos adultos do deserto podem voar até 150 quilômetros em um único dia.

“Sob o aquecimento futuro, os enxames poderiam alcançar áreas mais rapidamente do que no passado”, diz a agência.

Jaime Rodriguez com gafanhoto
Gafanhotos até apareceram na Copa do Mundo de 2014

Temperaturas mais altas também podem permitir que os insetos voem mais alto e ultrapassem barreiras naturais como montanhas, abrindo novas rotas de migração, especialmente se os padrões de vento mudarem conforme os gafanhotos são transportados.

“Em geral, espera-se que surtos de gafanhotos se tornem mais frequentes e severos sob a mudança climática”, diz Arianne Cease, diretora da Global Locust Initiative na Arizona State University, nos Estados Unidos.

As regiões agrícolas de subsistência são as mais vulneráveis ​​à devastação causada por enxames de gafanhotos.

Mas não apenas as safras produtoras de alimentos estão em risco: no Paquistão, as autoridades têm lidado com uma infestação que ameaça as plantações de algodão, um produto responsável por quase metade das exportações do país.

Fonte: BBC


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *