Cobra píton é flagrada “vomitando” serpente da mesma espécie

 (Foto: Parry Creek Farm Tourist Resort and Caravan Park)
AUSTRALIANO QUE RETRATOU A CENA ESTIMA QUE A COBRA TENHA ENTRE 3,5 E 4 METROS — E QUE SUA PRESA SEJA AINDA MAIOR (FOTO: PARRY CREEK FARM TOURIST RESORT AND CARAVAN PARK)

Na Austrália, uma cobra píton de 4 metros foi flagrada “vomitando” outra serpente da mesma espécie. De acordo com os especialistas, a prática de canibalismo desses animais é mais comum do que se acredita.

 (Foto: Parry Creek Farm Tourist Resort and Caravan Park)

O momento foi observado por Kurt Jongedyk, gerente do Parry Creek Farm Tourist Resort e Caravan Park, que encontrou a serpente. De acordo com o seu relato, a cobra começou a expelir “uma píton ainda mais gorda com aproximadamente o mesmo comprimento”. Jongedyk compartilhou a insólita experiência em uma publicação no Facebook.

 (Foto: Parry Creek Farm Tourist Resort and Caravan Park)
KURT JONGEDYK, QUE OBSERVOU OCORRIDO, CONTA QUE A PÍTON RECOGITOU A OUTRA APÓS ELE A TER MOVIDO PARA LONGE DE SUA CASA (FOTO: PARRY CREEK FARM TOURIST RESORT AND CARAVAN PARK)

Pítons podem devorar animais substancialmente maiores que elas mesmas, mas ao contrário da crença popular, essas cobras não soltam suas mandíbulas para as engolirem: “Na verdade, as mandíbulas ficam conectadas o tempo todo”, disse Patrick T. Gregory, professor de biologia da Universidade de Victoria, no Canadá, ao site Live Science.

 (Foto: Parry Creek Farm Tourist Resort and Caravan Park)
AUSTRALIANO KURT JONGEDYK PRESENCIOU A CENA E RELATOU ACONTECIMENTOS EM POST NO FACEBOOK (FOTO: PARRY CREEK FARM TOURIST RESORT AND CARAVAN PARK)

Segundo o especialista, as duas mandíbulas se movem independentemente, sem as restrições ósseas que existem nas “dobradiças” do maxilar humano: “As duas mandíbulas não estão unidas na frente por uma articulação rígida, como a nossa, mas por um ligamento elástico que permite que estiquem”, afirmou Gregory.

 (Foto: Parry Creek Farm Tourist Resort and Caravan Park)
 (Foto: Parry Creek Farm Tourist Resort and Caravan Park)
APÓS SER “VOMITADA”, PÍTON QUE HAVIA SIDO PREDADA CONTINUAVA VIVA (FOTO: PARRY CREEK FARM TOURIST RESORT AND CARAVAN PARK)

Fonte: Revista Galileu


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *