Chimpanzés reagem mais rápido a cooperar do que a fazer escolhas egoístas, diz estudo

Chimpanzés reunidos para uma refeição — Foto: The Jane Goodall Institute / By Fernando Turmo
Chimpanzés reunidos para uma refeição — Foto: The Jane Goodall Institute / By Fernando Turmo

Quando se trata de cooperação, os chimpanzés geralmente tomam decisões que beneficiam mais os outros do que eles mesmos mais rapidamente, de acordo com um estudo recém-publicado pela Universidade de Michigan, nos EUA, e divulgado nesta terça-feira (30).

Durante décadas, cientistas sociais e biólogos procuraram estudar estes primatas porque são os parentes vivos mais próximos dos humanos. Os chimpanzés também podem ser muito cooperativos na natureza – formando alianças com amigos ou caçando juntos em grupos.

“Os chimpanzés são um modelo comparativo importante para a cooperação humana”, disse Alexandra Rosati, professora assistente de psicologia e antropologia da Universidade de Michigan.

Rosati, principal autora do estudo, e colegas da Universidade de Harvard examinaram como chimpanzés da República do Congo pensam sobre decisões de cooperação e o tempo de resposta em situações envolvendo comportamento pró-social, que envolve como as ações beneficiam outras pessoas, como dar tempo, esforço ou recursos.

Os 40 chimpanzés estudados concluíram tarefas que avaliaram a cooperação e o autocontrole, incluindo:

Tarefa de doação: O chimpanzé poderia fornecer comida a si mesmo e a um parceiro, sem custo, ou optar por obter comida apenas para si próprio. Os chimpanzés eram mais propensos a escolher a opção pró-social se fizessem uma escolha rápida – como se sua primeira reação fosse cooperar com o parceiro. Se demorassem mais para decidir, no entanto, eram mais propensos a manter a comida por si mesmos.

Tarefa de ajuda: O chimpanzé poderia dar a um parceiro um objeto que estava fora de alcance. Chimpanzés individuais que eram mais propensos a ajudar também foram os mais rápidos para responder ao problema de seu parceiro. Em geral, isso apoia situações em que indivíduos cooperativos tendem a fazer escolhas pró-sociais mais rapidamente do que pessoas egoístas.

Tarefa punitiva: O chimpanzé poderia impedir que um ladrão pegasse um recurso roubado ao derrubar uma mesa para que o ladrão não conseguisse comida. Como no estudo de ajuda, os chimpanzés que eram mais reativos à injustiça tendiam a derrubar a mesa mais rapidamente.

Assim, em ambos os contextos de recompensa e punição, os chimpanzés fizeram escolhas pró-sociais mais rapidamente do que aquelas em que se beneficiavam.

“Em última análise, nossos resultados mostram que a cooperação entre chimpanzés envolve vários mecanismos cognitivos que se assemelham aos observados em humanos”, escreveram os pesquisadores.

Fonte: G1


Créditos: Ambiente Brasil