Calculadora de alimentos para mudanças climáticas: Qual é a pegada de carbono da sua dieta?

Evitar carnes e laticínios é uma das maiores maneiras de reduzir seu impacto ambiental, de acordo com estudos científicos recentes.

Mudar para uma dieta baseada em vegetais pode ajudar a combater as mudanças climáticas, de acordo com um relatório importante do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que diz que o alto consumo de carne e laticínios do Ocidente está alimentando o aquecimento global.

Mas qual é a diferença entre carne e frango? Uma tigela de arroz produz mais gases causadores do efeito estufa do que um prato de batatas fritas? O vinho é mais ecológico que a cerveja?

Para descobrir o impacto climático do que você come e bebe, escolha um dos 34 itens da calculadora de alimentos para mudanças climáticas e escolha a frequência com que você o ingere.

Imagem ilustrativa. Todos os valores para cada alimento na calculadora são médias globais. Para conseguir interagir com o conteúdo da calculadora de alimentos, clique aqui.

A produção de alimentos é responsável por um quarto de todas as emissões de gases de efeito estufa, contribuindo para o aquecimento global, de acordo com um estudo da Universidade de Oxford.

No entanto, os pesquisadores descobriram que o impacto ambiental de diferentes alimentos varia enormemente.

Suas descobertas mostraram que a carne e outros produtos de origem animal são responsáveis ​​por mais da metade das emissões de gases de efeito estufa, apesar de fornecer apenas um quinto das calorias que ingerimos e bebemos.

De todos os produtos analisados ​​no estudo, foi constatado que a carne bovina e o cordeiro têm de longe o efeito mais prejudicial ao meio ambiente.

As conclusões ecoam recomendações sobre como os indivíduos podem diminuir as mudanças climáticas pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC).

No que diz respeito às nossas dietas, o IPCC diz que precisamos comprar menos carne, leite, queijo e manteiga – mas também comer mais alimentos sazonais de origem local e descartá-los menos.

O IPCC também recomenda que isolemos residências – reduzindo o calor, utilizemos trens e ônibus em vez de aviões e façamos maior uso da videoconferência em vez de viagens de negócios.

Cortar carne e laticínios de sua dieta pode reduzir a pegada de carbono de um indivíduo em alimentos em dois terços, de acordo com o estudo de Oxford, publicado na revista Science.

“O que comemos é um dos fatores mais poderosos por trás das principais questões ambientais do mundo, seja a mudança climática ou a perda de biodiversidade”, disse o pesquisador Joseph Poore à BBC News.

Mudar sua dieta pode fazer uma grande diferença para sua pegada ambiental pessoal, da economia de água à redução da poluição e da perda de florestas, disse ele.

“Isso reduz a quantidade de terra necessária para produzir sua comida em cerca de 75% – é uma enorme redução, principalmente se você aumentar isso globalmente”, explicou Poore.

Se você voa regularmente, substituir o voo por outras formas de transporte pode ter um impacto maior na sua pegada de carbono do que mudar sua dieta. A pegada de carbono de um passageiro de um vôo só de ida de Londres para Nova York é pouco menos de meia tonelada de gases de efeito estufa. Mudar de um veículo a gasolina comum para um carro elétrico pode economizar mais que o dobro disso em um ano.

Também é importante saber como e onde sua comida é produzida, pois a mesma comida pode ter grandes diferenças no impacto ambiental.

Por exemplo, o gado de corte criado em terras desmatadas é responsável por 12 vezes mais emissões de gases de efeito estufa do que as vacas criadas em pastagens naturais.

A carne média da América do Sul resulta em três vezes a quantidade de gases de efeito estufa que a carne produzida na Europa – e usa 10 vezes mais terras.

Carnes e laticínios não são os únicos alimentos em que as escolhas que você faz podem fazer uma grande diferença.

Chocolate e café originários da floresta desmatada produzem gases de efeito estufa relativamente altos.

Para tomates ecológicos, escolha aqueles cultivados ao ar livre ou em estufas de alta tecnologia, em vez de em estufas aquecidas a gás ou óleo. Os consumidores de cerveja preocupados com o meio ambiente podem estar interessados ​​em saber que a cerveja de pressão é responsável por menos emissões do que as latas recicláveis, ou pior, garrafas de vidro.

Mesmo as opções de carne mais favoráveis ​​ao clima ainda produzem mais gases de efeito estufa do que as fontes de proteínas vegetarianas, como feijão ou nozes.

Como foi feita a calculadora de alimentos para mudanças climáticas?

Como é calculado o impacto ambiental?

O pesquisador da Universidade de Oxford, Joseph Poore, e Thomas Nemecek, da Divisão de Pesquisa em Agroecologia e Meio Ambiente, em Zurique, na Suíça, analisaram o impacto ambiental de 40 principais produtos alimentícios que representam a grande maioria do que é consumido globalmente.

Eles avaliaram o efeito desses alimentos nas emissões de gases de efeito estufa causadas pelo aquecimento climático e a quantidade de terra e água doce usada em todas as etapas de sua produção, incluindo processamento, embalagem e transporte, mas excluindo o processo de cozimento.

Ao analisar dados de quase 40.000 fazendas, 1.600 processadores, tipos de embalagens e varejistas, Poore e Nemecek foram capazes de avaliar como diferentes práticas de produção e geografias têm consequências muito diferentes no planeta.

Que tal o tamanho das porções?

Os dados do estudo analisaram o impacto ambiental de 1 kg de cada um dos diferentes produtos alimentícios.

Para esta história, eles foram convertidos em tamanhos por porção, com base nos tamanhos da British Dietetic Association (BDA) e nos tamanhos das porções de dieta saudável da BUPA (grupo internacional britânico de provisionamento e assistência médica).

Os números para tamanhos de porção com base nas sugestões do BDA e BUPA são geralmente inferiores aos tamanhos das porções comumente encontrados em restaurantes e o que as pessoas normalmente esperam; portanto, os números retornados pela calculadora sobre o impacto do consumo individual provavelmente serão mais altos na realidade.

Os alimentos ricos em proteínas foram calculados usando o impacto por 100g de proteína da pesquisa de Poore e Nemecek e dados sobre proteínas por porção do BDA, para evitar diferenças entre alimentos cozidos e não cozidos.

O que são gases de efeito estufa?

Os valores das emissões de gases de efeito estufa estão em quilogramas de equivalentes de dióxido de carbono (CO2eq). Esta é uma unidade que converte o impacto de diferentes tipos de gases de efeito estufa, como metano e óxido nitroso, na quantidade equivalente de dióxido de carbono.

Como a calculadora sabe qual é a sua dieta em quilômetros percorridos?

O impacto anual da ingestão de um alimento específico é calculado multiplicando o impacto de uma porção desse alimento pelas vezes em que é consumido em um ano, com base nas estimativas semanais enviadas pelo usuário.

Estes são então comparados com as emissões de outros hábitos diários. A Agência Europeia do Meio Ambiente estima que dirigir um carro a gasolina comum produz 392g de CO2eq / milha durante todo o ciclo de vida, incluindo emissões da produção do veículo, produção de combustível e emissões de escapamento por milha.

O aquecimento da casa média do Reino Unido produz 2,34 toneladas de CO2eq anualmente, de acordo com dados do Comitê de Mudanças Climáticas, e a pegada de carbono de um passageiro para um voo de volta de Londres a Málaga é de 320 kg de CO2eq, com base nos números da calculadora Carbon Neutral.

A terra usada para produzir o consumo anual de cada alimento é comparada com o tamanho de uma quadra de tênis dupla, de 261 metros quadrados.

A quantidade anual de água utilizada é comparada com um chuveiro, com base em números que sugerem que o chuveiro médio dura oito minutos e consome 65 litros. Somente “água azul”, isto é, água retirada de rios ou do solo, é incluída nos dados.

Fonte: BBC News / Nassos Stylianou, Clara Guibourg e Helen Briggs
Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:
https://www.bbc.com/news/science-environment-46459714


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *