Brasileiro vai a Tanzânia para criar um parque musical a partir de material reciclado

Sob o nome Mongó, Vini Monte, Pato Vela e Jaime Martorell viajam por diferentes lugares do planeta construindo espaços de aprendizagem ao ar livre em escolas e orfanatos utilizando lixo e materiais naturais para construir.

Depois de se conhecerem viajando pela Oceania e Ásia, e depois de suas experiências dando oficinas para crianças utilizando objetos reciclados como instrumentos musicais, Vinícius Monte, engenheiro de produção, Jaime Martorell, designer gráfico e Pato Vela, música e professora decidiram colocar todas as suas fichas em um projeto, Mongó, em que o objetivo é fomentar um espaço de aprendizagem baseada na natureza, na música, na permacultura, na reciclagem e na criatividade!

 

O projeto tomou forma em Moshi (Tanzânia), onde de Setembro a Novembro Mongó construiu seu primeiro parque musical em um centro educativo da ONG Caring África, que acolhe crianças carentes e lhes dá uma nova oportunidade educando-os através da música e da arte.

Junto com as crianças, professores e demais membros da comunidade, os três integrantes de Mongó desenharam e construíram um parque musical, ou seja, um espaço para aprender ao ar livre, integrando uma horta, em que foram plantados vegetais, flores e plantas medicinais, com um pátio musical repleto de instrumentos feitos de materiais reutilizados. Foi feita até uma caverna de garrafas plásticas, o resíduo mais comum na cidade.

Desta maneira, Mongó plantou uma semente em toda a comunidade, conscientizando sobre os resíduos que geramos dia-a-dia e colocou seu grão de areia na promoção de uma educação em que as crianças são as criadoras do seu próprio ambiente de aprendizagem.

 

O próximo passo é concretizar novas parcerias para construir parques musicais em 2019 em outras partes do globo, assim mais crianças poderão aprender se divertindo ao ar livre. Mongó ainda está indeciso se vai voar pela Europa ou pela América Latina, mas sabe que por aí o vento o está levando.

Fonte: Mongo


Créditos: Ambiente Brasil