Austrália prende suspeita de pôr agulhas em morangos

Morango na mão de um homem
Crise da sabotagem fez governo australiano recomendar que consumidores cortem morangos antes de comer

Uma mulher de 50 anos foi detida neste domingo (11/11) na Austrália, suspeita de envolvimento com vários casos registrados em setembro passado de agulhas inseridas em morangos comercializados no país, informou a polícia de Queensland.

A mulher, que não foi identificada, será ouvida nesta segunda-feira em um tribunal de Brisbane. Em nota, a polícia frisou que a investigação que levou à prisão e ao indiciamento da suspeita foi “complexa” e “extensa”.

Caso condenada, a mulher pode pegar pena de até 10 anos de prisão. A polícia não divulgou os motivos que a acusada teria.

As autoridades do estado de Queensland, no nordeste da Austrália, emitiram um alerta público no dia 12 de setembro depois de que foram registrados vários casos de morangos contendo agulhas sendo vendidos em supermercados da região. Depois, também ocorreram casos parecidos em cinco outros estados do país.

No total, mais de 100 supostos episódios ocorreram na Austrália em setembro, além de um incidente isolado na vizinha Nova Zelândia.

Pelo menos um homem foi hospitalizado com dores no estômago após comer morangos com agulhas em seu interior.

A crise da sabotagem levou supermercados australianos a retirarem frutas de suas prateleiras e forçou produtores a jogarem fora toneladas de morangos. O governo australiano aconselhou consumidores a cortar as frutas em pequenos pedaços antes de comê-las. O Parlamento australiano aumentou a pena para crimes de chamados “terroristas dos alimentos” de 10 para 15 anos de prisão.

As autoridades australianas ofereceram uma recompensa de 100 mil dólares australianos (quase US$ 712 mil) para encontrar os responsáveis por um caso que pôs em xeque a indústria do morango no país.

Fonte: Deutsche Welle


Créditos: Ambiente Brasil