Ativistas protestam contra importação de soja na Alemanha

Na Alemanha, ativistas do Greenpeace escrevem crime climático em cargueiro carregado com o soja do Brasil.
Ativistas escrevem “crime climático” em cargueiro carregado com o soja do Brasil

O Greenpeace protestou neste domingo (04/08) contra a importação de soja no porto de Brake, no norte da Alemanha. Ativistas da ONG ambientalista pintaram a inscrição “crime climático” no casco de um cargueiro carregado com o grão proveniente do Brasil.

O grupo se aproximou do navio com um pequeno barco e pendurou ainda uma faixa no guindaste que tiraria a carga da embarcação. “Emergência climática. A ração de soja destrói as florestas”, dizia a faixa.

Ativistas do Greenpeace protestam contra a importação de soja no porto de Brake
Grupo também pendurou faixa dentro do navio

Segundo a ONG, a importação de soja voltada para a pecuária de massa agrava os problemas climáticos, além de contribuir para destruição de ecossistemas fundamentais para a redução da concentração de dióxido de carbono.

“Nós exigimos que o governo alemão interrompa imediatamente a importação de soja originária da destruição da floresta. Ao mesmo tempo, o governo deve fornecer incentivos para que a agricultura local assegure a criação apropriada com um número menor de animais”, afirmou o especialista em agricultura do Greenpeace, Dirk Zimmerman.

O especialista disse ainda que para frear os impactos da pecuária de massa nas mudanças climáticas é necessária a redução do consumo de global de carne pela metade até 2050. Na Europa e na América do Norte, essa diminuição deve ficar entre 70 e 90%.

Ativistas do Greenpeace protestam contra a importação de soja no porto de Brake
Ação visa alertar para destruição de florestas no Brasil

Segundo Zimmerman, a produção de soja no Brasil mais do que quadruplicou nos últimos 20 anos, principalmente devido ao aumento do consumo de carne. O grão amplamente usado na alimentação de animais. O especialista responsabilizou o agronegócio voltado para a produção de ração por dois terços do desmatamento na América do Sul.

O protesto no porto de Brake ocorreu no âmbito da reunião do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que acontece desde sexta-feira em Genebra, na Suíça. A ação dos ativistas visava atrair a atenção dos participantes para os impactos da produção de soja.

Fonte: Deutsche Welle


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *