A proteção de terras pode promover empregos? Na Nova Inglaterra, a resposta é sim

Proteger a terra do desenvolvimento fornece numerosos benefícios ecológicos e sociais, mas muitas pessoas debatem se isso prejudica ou ajuda as economias locais. Alguns temem que a proteção da terra iniba o crescimento econômico, restringindo o uso de recursos ou dificultando a criação de oportunidades. Outros afirmam que a proteção da terra pode apoiar as economias locais porque promove o uso sustentável de recursos, turismo e recreação, além de atrair novos moradores e empresas.

Para avaliar essas visões concorrentes, analisamos a Nova Inglaterra. Desde 1990, os seis estados, de Connecticut ao Maine, protegeram mais de 20 milhões de hectares de terra, criando um experimento natural único em conservação.

Nossa equipe interdisciplinar desenvolveu métodos quase experimentais para avaliar iniciativas de conservação em todo o mundo e estudou a região da Nova Inglaterra em profundidade. Recentemente, trabalhamos juntos para examinar como a proteção da terra na Nova Inglaterra afetou os principais indicadores econômicos das 1.500 cidades da região entre 1990 e 2015.

Nossos resultados mostram que a preservação de áreas também pode ajudar as economias. Durante esses 25 anos, a conservação da terra aumentou moderadamente o número de empregos locais e a força de trabalho, sem reduzir as novas licenças de habitação.

As florestas protegidas na Nova Inglaterra melhoram a qualidade de vida local e estimulam uma indústria de turismo anual de US$ 10 bilhões. Fonte: Floresta de Harvard / Ryan Burton, CC BY-ND.

O futuro da conservação: mais ações locais de propriedades particulares

Pesquisas anteriores, tanto nacionais quanto globais, focadas em analisar os impactos econômicos das áreas protegidas geralmente se concentram em grandes parques públicos. No oeste dos Estados Unidos, por exemplo, o governo federal administra quase metade de toda a terra e as densidades populacionais são baixas.

Mas o futuro da conservação da terra provavelmente será mais local e em terras particulares. Novas áreas protegidas serão menores e em áreas já densamente povoadas. Mais a proteção ocorrerá através da compra de direitos de conservação, e não através da aquisição direta por agências governamentais.

Em outras palavras, o futuro da conservação de terras se parecerá com os padrões de propriedade na Nova Inglaterra, onde centenas de milhares de proprietários particulares detêm mais de 80% da terra. Desde 1990, os órgãos públicos adquiriram 20% de todas as novas terras protegidas, e proprietários privados e fundos de propriedade protegeram 29% através de mais de 17.000 negócios privados. Os 51% restantes são bosques particulares, com servidões que exigem que esses setores continuem como florestas com atuação econômica.

Porcentagem de terras protegidas pela cidade (Mapa a) e tipos de terras protegidas (Mapa b), 2010. Fonte: Sims et al., 2019, CC BY-ND.

A proteção da terra na Nova Inglaterra é um esforço da comunidade que envolveu milhares de indivíduos comprometidos, centenas de cidades e vilas, dezenas de agências estaduais e federais e mais de 350 fundações. Exemplos incluem a Iniciativa de Conservação do Monte Agamenticus para o Mar, o East Quabbin Land Trust, a Fundação Florestal da Nova Inglaterra, os curadores de reservas, o Mount Grace Trust e o Litchfield Hills Greenprint Collaborative.

A natureza diversificada e descentralizada desses esforços cria muitos níveis diferentes de proteção da terra nas vilas e cidades, bem como a abordagem que um cientista experimental adotaria em um laboratório. Algumas cidades ganharam mais terras protegidas do que outras, muitas vezes porque as propriedades se tornaram disponíveis e alguns indivíduos comprometidos agiram no momento certo. Usamos essa variação para comparar a saúde econômica das comunidades que protegiam mais terras com as que não protegiam.

Proteger a terra aumenta o emprego local

Sabíamos que muitas tendências podem influenciar o crescimento econômico e que esses fatores podem se correlacionar com as áreas onde a terra foi conservada. Para isolar os impactos locais da proteção da terra, dividimos nossos dados em cinco conjuntos de intervalos de cinco anos. Para cada cidade, estudamos como a proteção da terra se relacionava com indicadores econômicos no período subsequente de cinco anos, de modo que a proteção passada estava relacionada ao crescimento, e não o contrário.

Controlamos fatores potencialmente confusos, incluindo tendências de crescimento na região metropolitana, flutuações no emprego por período de tempo e ações de proteção da terra nas cidades vizinhas. Também controlamos as características constantes de cada cidade, incluindo níveis de riqueza e proximidade com a costa ou com os centros populacionais.

Descobrimos que níveis mais altos de proteção da terra levaram a um maior número de pessoas empregadas, especialmente nas áreas rurais. Especificamente, descobrimos que um aumento de 1% na proteção da terra levou a um aumento de 0,03% no emprego local. Por exemplo, se uma cidade com 20.000 pessoas empregadas aumentasse a proteção da terra de 10% para 15% de sua área – um salto de 50% – sua população ativa aumentaria em média para 300 pessoas nos próximos cinco anos.

Esse efeito positivo era verdadeiro, independentemente de as terras serem públicas, privadas ou grandes florestas protegidas. E as novas licenças de habitação não diminuíram com a proteção adicional da terra, o que indica que a proteção da terra não reduziu o conjunto habitacional. As pessoas ainda construíam novas casas, embora possivelmente em locais diferentes do que pensado inicialmente.

Um ciclista de montanha desfruta de uma área florestal protegida e provavelmente gastará dinheiro localmente, impulsionando a economia. Fonte: Associação de Mountain Bike da Nova Inglaterra, CC BY-ND.

Usar recursos de maneira sustentável cria empregos

Nosso estudo analisou toda a região da Nova Inglaterra usando indicadores econômicos consolidados e disponíveis. Acreditamos que essa pesquisa complementa estudos de caso mais detalhados na Nova Inglaterra e trabalhos prospectivos como a Iniciativa Wildlands and Woodlands, que é uma visão científica para o futuro da proteção e administração da terra na Nova Inglaterra.

Outras pesquisas locais mostram que a proteção da terra fornece empregos incentivando o uso sustentável de recursos, como a colheita anual de madeira, a pesca e a produção de xarope de bordo. Em geral, a proteção da terra cria empregos por meio do consumo dos visitantes em bens e serviços produzidos localmente nas áreas recreativas. A recreação na Nova Inglaterra gera cerca de 432.000 empregos e gera US$ 52 bilhões anualmente.

A extração sustentável de madeira apoia as economias locais, cria um novo habitat para espécies raras em áreas abertas e pode ajudar a sequestrar carbono. Fonte: Floresta de Harvard / Spencer Meyer, CC BY-ND.

A proteção da terra também aumenta os valores das comodidades de moradia, o que pode tornar as cidades e locais desejáveis ​​para se viver, atraindo a migração, que por usa vez cria crescimento. A Nova Inglaterra já possui uma indústria turística próspera, e não é de surpreender que a proteção dos recursos naturais tenha fortalecido essa fonte de produtividade econômica.

A experiência da Nova Inglaterra mostra que a conservação pode complementar e apoiar o desenvolvimento econômico. Esperamos que trabalhos futuros avaliem mais profundamente os mecanismos específicos que podem levar a ganhos líquidos locais com a conservação da terra. Também é necessário entender melhor os impactos fiscais locais, outros fatores necessários para o sucesso econômico e maneiras pelas quais todas as pessoas podem se beneficiar do espaço aberto próximo ao local onde vivem.

Fonte: The Conversation / Katharine Sims, Jonathan Thompson e Spencer Meyer 
Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:
https://theconversation.com/can-protecting-land-promote-employment-in-new-england-the-answer-is-yes-116249


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *