A cor de um cão pode influenciar sua longevidade e problemas de saúde

Pesquisadores da Universidade de Sidney (Austrália) e da Faculdade Real de Veterinária de Londres (Inglaterra) recorreram a 33 mil cães da raça Labrador que vivem no Reino Unido para conduzir um trabalho sobre a longevidade desses animais. A pergunta central da pesquisa foi se a cor do animal faz alguma diferença para o cão, do ponto de vista da saúde e longevidade. O resultado foi publicado na revista Canine Genetics and Epidemiology Today.

A média de vida de um Labrador amarelo ou preto é 12,1 anos, 10% a mais que o Labrador chocolate. A prevalência de otite em cães com pelagem marrom foi duas vezes maior que nos cães das outras cores, e eles sofreram muito mais com dermatite piotraumática.

“A relação entre a cor da pelagem e doenças pode ser consequência da reprodução exagerada de certos pigmentos”, aponta o pesquisador Paul McGreevy. “A cor chocolate é recessiva em cães, então o gene para esta cor deve estar presente no pai e na mãe para que os filhotes sejam chocolate. Os criadores que querem esta cor podem acabar cruzando apenas cães Labrador que têm o gene para pelagem chocolate. Pode ser que a menor variedade de genes disponíveis incluam uma maior proporção de genes que causam problemas de ouvido e pele”.

Entre todos cachorros Labrador, o problema mais comum observado é obesidade, infecções de ouvido e problemas nas juntas.

Tenha em mente esses dados quando for escolher seu próximo cão. Os cachorros com menos chance de ter problemas de saúde são aqueles com grande mistura genética, com destaque para os que não têm raça definida. Mas se o Labrador é sua paixão e você faz questão de incluir um deles na sua família, lembre-se de que pretos e amarelos vivem mais e têm menos problemas de ouvido e pele.

Fonte: Hypescience


Créditos: Ambiente Brasil