“A coisa mais próxima na Terra de viagens interplanetárias”

Fonte: DAVID VAUGHAN

Descobrir a rapidez com que o gelo antártico está derretendo é fundamental para entender a escala da crise climática. O correspondente ambiental da BBC, Justin Rowlatt, está, portanto, se juntando aos cientistas para verificar a saúde da camada de gelo da Antártica Ocidental. Mas primeiro ele deve passar por alguns testes.

Ficamos uma hora no exame médico.

O Dr. McGovern fez todas as perguntas possíveis. Ele olhou, me mediu e me apertou.

Depois houve uma pausa.

“Agora eu preciso examinar sua próstata”, diz ele.

“Você está brincando”, eu digo.

“Não estou”, ele responde, pegando uma luva de látex.

Monte Erebus – o vulcão ativo mais ao sul da Terra.

Não me interpretem mal, eu entendo por que homens de certa idade devem se submeter ao procedimento, eu simplesmente não conseguia entender por que isso deveria ser uma condição para ir à Antártica.

Mas, como eu estava descobrindo, tudo na Antártica é extremo. Ficar doente pode levar a dezenas de pessoas terem que arriscar suas vidas para tentar resgatá-lo.

É o continente mais frio e seco e também é vasto – lar de 90% do gelo do mundo.

Você conhece a vida marinha aqui, os pinguins, focas e baleias, mas o maior animal terrestre local é na verdade um mosquito sem asas.

“Viajar para a Antártida é a coisa mais próxima que você terá de viagens interplanetárias enquanto estiver terrestre”, disse-me um veterano da Antártica quando visitei o quartel-general da Pesquisa Antártica Britânica em Cambridge.

Eu tinha uma pilha de livros sobre o continente ao meu lado no longo vôo para a Nova Zelândia.

Fonte: DAVID VAUGHAN

Eles estão cheios de histórias dos esforços épicos dos primeiros exploradores no frio arrepiante.

Eles chamam isso de Era Heroica, mas diz muito sobre a Antártica que os “heróis” que celebramos eram mais frequentemente fracassos, derrotas por esse lugar implacável.

Scott não voltou.

Shackleton sim, mas em sua jornada mais famosa nunca realmente pôs os pés no continente.

Enquanto isso, Amundsen, que colocou a bandeira, é considerado por alguns como uma trapaça, porque não sofreu o suficiente.

David Vaughan, chefe de ciência do British Antarctic Survey, desconsidera aqueles que vêm à Antártica em busca de aventura.

“Se você quer sofrer, pode fazê-lo da mesma forma no Lake District”, ele me diz, tomando café sob o sol de primavera do nosso hotel na Nova Zelândia.

O ar cheira a grama recém-cortada. Os pássaros brigam nas árvores. Uma árvore de Natal brilha inconvenientemente no canto.

David toma outro gole de cappuccino.

“Você pode morrer de exposição lá também, se é isso que você quer fazer.”

Não vou para o sul em busca de aventura – mas o que estou fazendo é muito aventureiro.

Estou aqui porque o gelo no fim do mundo começou a se agitar. Imagens de satélite mostram que a retirada da poderosa geleira Thwaites começou a acelerar.

Ela já responde por 4% do aumento global do nível do mar.

Se Thwaites partir, os oceanos do mundo subiriam mais de meio metro, mas certamente também precipitaria um colapso mais amplo da camada de gelo da Antártica Ocidental – o que poderia adicionar outros três metros ou mais.

Os cientistas com quem eu estou, querem descobrir a probabilidade de que isso aconteça e, se acontecer, quando.

Mas apenas um punhado de pessoas já esteve em Thwaites, um dos lugares mais desafiadores para se chegar – e mais ainda de trabalhar – em toda a Antártica.

É distante, mais de 1.600 quilômetros da estação de pesquisa mais próxima, além da geleira ser cheia de fendas traiçoeiras e toda a região estar sujeita a tempestades terríveis.

Fonte: DAVID VAUGHAN

Quando o avião de carga C-17 para na Plataforma de Gelo Ross, já estamos atrasados ​​- a neve na pista nos atrasou um dia.

Eu desço a escada e entro em um mundo deslumbrante de branco e azul. A luz é refratada em arco-íris enquanto se afasta do gelo. É incrivelmente bonito, mas estou entrando em um mundo em que o tempo se dissolve.

Dias depois de chegar a McMurdo, a principal estação de pesquisa americana na Antártida, sinto como se estivesse aqui há anos. Não é só por que o sol nunca se põe, é também porque as cerca de 1.000 pessoas aqui são muito amigáveis.

Justin Rowlatt (à esquerda) e o cinegrafista Ben Sadd posam com o organizador mascarado de uma corrida na Antártica de 10 Km e (à direita) David Vaughan.

Talvez a vastidão da paisagem e os caprichos do clima tornem a cooperação e a generosidade a opção padrão aqui.

Estou empilhando segundas porções no meu prato na cozinha – na cantina que serve a base – quando um homem de macacão e barba desgrenhada pergunta pelo que estou aqui.

“Estou no projeto Thwaites”, digo a ele.

“Você quer dizer se apresse e Thwaites?” ele diz com uma risada.

Acontece que nem um único voo chegou de McMurdo ao nosso acampamento base na Antártida Ocidental por dias. Três dos aviões Hercules de McMurdo estão quebrados e há um sistema climático desagradável que nos impede.

Eu me sirvo de uma colher extra de batatas fritas. Quando me sento, descubro que um biólogo marinho fascinante se juntou à nossa mesa. Ela está estudando como as extraordinárias formas de vida marinha que evoluíram nas águas geladas da Antártica respondem à mudança da temperatura do mar.

Há lugares piores para esperar do que o fim do mundo, digo a mim mesmo.

Fonte: BBC News
Tradução: Redação Ambientebrasil / Maria Beatriz Ayello Leite
Para ler a reportagem original em inglês acesse:
https://www.bbc.com/news/stories-50856270


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *