5 coisas que você pode fazer para poluir menos ao viajar de avião

Mulher sentada dentro de um avião, olhando pela janela com fones de ouvido
Um dos maiores problemas da aviação é que ela não emite apenas CO2, mas outros gases de efeito estufa

Toda vez que você sobe num avião está contribuindo para a emissão de gases do efeito estufa e o agravamento das mudanças climáticas.

O melhor, segundo a repórter de meio ambiente da BBC News, Laura Foster, é não voar diretamente e escolher meios alternativos de transporte.

Ao viajar de trem, por exemplo, um passageiro responde pela emissão de 14 gramas de dióxido de carbono (CO2) por km, em comparação com os 285 emitidos “por passageiro” se o meio escolhido é o aéreo.

Os cálculos, feitos pela Agência Ambiental Europeia (EEA, na sigla em inglês), são para um trem de cerca de 150 passageiros e uma aeronave com capacidade para 88.

Para aviões maiores, a emissão por passageiros cai já que o total é diluído por um número maior de passageitos e a média fica em pouco mais de 170 gramas de CO2 por quilômetro, de acordo com um relatório da London School of Economics (LSE).

Mas um dos maiores problemas da aviação é que não é apenas CO2 que ela emite.

Quando os aviões queimam combustível, eles também liberam vapor de água e óxido nitroso, outros gases de efeito estufa.

E essas emissões ocorrem em grandes altitudes na atmosfera, onde o impacto é maior devido a uma série de reações químicas.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) estima que o impacto da aviação nas mudanças climáticas é de dois a quatro vezes maior do que o efeito simplesmente de suas emissões de CO2.

Mas se você decidir voar, há fatores que pode levar em conta para reduzir sua emissão de carbono.

1) Leve pouca bagagem

Cada objeto carregado em um avião faz com que ele fique mais pesado. E quanto mais pesado o avião, mais combustível será necessário.

Greta Thunberg
A jovem ativista Greta Thunberg quis viajar de trem durante viagem pela Europa para reduzir sua emissão de carbono

Então, quando você for fazer as malas, analise se é possível deixar algumas roupas ou acessórios em casa.

Você também pode considerar se é possível pagar a mais para compensar algumas de suas emissões. O dinheiro extra é usado em projetos que absorvem as emissões da atmosfera, como o plantio de árvores.

No entanto, um estudo da BBC identificou que menos da metade das 28 principais companhias aéreas consultadas oferece essa possibilidade aos clientes.

Mesmo quando as companhias aéreas oferecem a opção de o passageiro pagar mais para reduzir a emissão de carbono, menos de 1% deles optam por fazer isso.

2) Voe direto

Os aviões usam a maior parte de seu combustível quando decolam e quando aterrissam.

Passageiros com bagagem em um aeroporto
Uma das formas de reduzir o impacto ecológico de decolagens e aterrissagens é escolher voos sem escalas

Se você puder voar sem escalas até o seu destino, sua emissão de carbono será menor.

Um Boeing 747 usa aproximadamente quatro litros de combustível por segundo. Durante um vôo de 10 horas, a aeronave pode consumir cerca de 150 mil litros.

3) Escolha os assentos mais baratos

Um estudo do Banco Mundial de 2013, feito por Heinrich Bofinger e Jon Strand, mostra que se você voa em classe executiva ou na primeira classe, você responde por pelo menos três vezes mais emissões de gases de efeito estufa do que às que você “emitiria” se viajasse em classe económica.

Imagem mostra corredor de avião, exibindo passageiros em seus assentos
Viajar na primeira classe “emite” três vezes mais CO2 do que ir de classe econômica, segundo um estudo do Banco Mundial

Na seção econômica há mais assentos, por isso mais passageiros podem ser transportados com o mesmo combustível.

O estudo destaca que o espaço ocupado por um assento de primeira classe pode ser até cerca de quatro vezes o de um assento econômico.

4) Escolha sua companhia aérea com cuidado

Algumas companhias aéreas produzem mais emissões do que outras.

Um estudo da LSE publicado em março comparou as emissões de CO2 de diferentes companhias aéreas e encontrou diferenças importantes.

A EasyJet, por exemplo, emite 75 gramas de CO2 por km por passageiro, em comparação com 172 da Korean Air.

EasyJet rumo a emissões menores em 2020

Emissões medidas em gramas de CO2 por passageiro por quilômetro

No entanto, alguns críticos apontam que, embora empresas como a EasyJet possam produzir menos emissões, ao oferecer passagens mais baratas elas estão incentivando mais pessoas a optarem por transporte aéreo.

A aviação global contribui globalmente com cerca de 2% das emissões de CO2, mas o impacto deste setor vai crescer entre 200% e 360%, devido a passagens mais baratas, de acordo com estimativas citadas pelo site britânico Carbon Brief, que cobre áreas como ciência climática, política climática e política energética.

5) Use o seu aeroporto local

Se você vai para o aeroporto de carro emite mais gases de efeito estufa ao queimar mais combustíveis fósseis do que se for de trem, por exemplo, ou se usar um terminal mais próximo.

Viajar em um carro de 4 pessoas emite 42 gramas de CO2 por passageiro por km, segundo a EEA. Os números variam consideravelmente dependendo da eficiência energética do veículo.

Carro elétrico sendo "abastecido"
Ir ao aeroporto de carro elétrico pode ser boa saída quando possível, mas o benefício depende da fonte de geração de eletricidade

Os carros elétricos emitem menos CO2, mas é importante determinar a fonte de geração da eletricidade usada para carregar a bateria do veículo.

Na Noruega, por exemplo, a maior fonte de eletricidade é hidrelétrica, enquanto no Reino Unido são a queima de combustíveis fósseis e algumas fontes renováveis.

Em países como a Índia, as emissões de um carro elétrico podem ser quatro vezes maiores do que em outros países, porque a fonte de energia é principalmente a rede de usinas geradoras baseadas na queima de carvão.

Fonte: BBC


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *