12 respostas para argumentos conformistas sobre a crise climática

A crise climática pela qual passa o planeta Terra tem diversos negacionistas. É difícil de acreditar que tantas evidências científicas sejam simplesmente ignoradas por algumas pessoas, mas isso acontece e é algo que devemos combater se quisermos realmente reverter este quadro. A maioria das pessoas que negam o aquecimento global são ligadas a grandes corporações, que tentam a todo custo evitar mudanças em seus métodos de produção e consumo. Até mesmo o presidente da nação mais poderosa do planeta, os EUA, costuma negar o aquecimento global e o papel da ação humana neste problema. Aqui no Brasil, as coisas, infelizmente, não estão muito diferentes. 

Em contrapartida, diversas vozes têm se levantado para combater os argumentos de quem se nega a enxergar as evidências ou teima em achar que nada mais pode ser feito. Pensando nisso, o portal Vox decidiu criar uma lista de 12 “respostas” para argumentos negacionistas ou simplesmente conformistas, inspirados em pessoas que têm se posicionado e feito a diferença, caso da ativista climática sueca de 16 anos Greta Thunberg, que conseguiu levar políticos europeus a uma ação climática em apenas seis meses.

“Thunberg, que está no espectro do autismo, tornou-se uma autoridade moral. Novamente, ela está claramente articulada, já que os adultos abdicaram vergonhosamente de seus deveres básicos para proteger as crianças de hoje e as futuras gerações de uma catástrofe climática complicada. ‘Esse comportamento irresponsável contínuo será, sem dúvida, lembrado na história como um dos maiores fracassos da humanidade’, disse ela ao Parlamento britânico”, destaca o texto.

“Felizmente, Thunberg é apenas uma das muitas grandes mentes que nos ajudam a convocar a clareza moral para abordar o difícil problema de enquadrar a crise climática. Isso inclui os escritores David Wallace-Wells, George Monbiot e Anand Giridharadas; a historiadora Jill Lepore; e a Deputada Alexandria Ocasio-Cortez (D-NY, EUA), entre muitos outros. À medida que despejamos mais carbono na atmosfera e o planeta cozinha, seus argumentos sobre o que estamos enfrentando – e por que devemos agir agora – são essenciais para romper os laços que nos mantêm inativos.

Esses pensadores nos inspiraram a superar nossos próprios bloqueios psicológicos para enfrentar a crise climática. As palavras do escritor James Baldwin também são úteis: “Nem tudo o que se enfrenta pode ser mudado. Mas nada pode ser mudado até que seja enfrentado”. Com base nesses e em outros poços de sabedoria, reunimos 12 respostas curtas a algumas das perguntas mais desafiadoras para ajudá-lo a superar o desespero climático, o cinismo, o derrotismo e a paralisia. Não podemos mais adiar; já passou da hora do pânico produtivo”, alerta.

12) Não é alarmista falar sobre uma possível extinção da espécie humana?

É verdade que não sabemos exatamente o que vai acontecer, mas as evidências são esmagadoras de que o clima já está perigosamente instável, e o clima extremo será cada vez mais mortal para nós e outras espécies. “Nossa casa está em chamas. Não quero sua esperança. Eu quero que você entre em pânico. Quero que você sinta o medo que sinto todos os dias”, alerta Thunberg.

Já emitimos gases de efeito estufa suficientes para causar 1,1 grau Celsius de aquecimento, a maioria dele em uma única geração, como aponta David Wallace-Wells, autor de The Uninhabitable Earth (A Terra Inabitável, em tradução livre). Todas as decisões a partir de agora são as diferenças entre, digamos, 1,5, 1,51, 1,52 graus Celsius de aquecimento e até 4 graus.

Qualquer um desses cenários levará a uma carga crescente de sofrimento para bilhões de seres humanos ainda não nascidos. E não são apenas nossos descendentes distantes: os jovens de hoje crescerão em um clima alterado pelas escolhas que fazemos agora mesmo.

11) Já não é tarde demais para evitar uma catástrofe?

Mudanças irreversíveis na biosfera já estão bem encaminhadas, mas evitar cada fração de grau de aquecimento adicional é importante. Cada gota de gás de efeito estufa que escolhemos colocar na atmosfera aumenta o tamanho do aquecimento que escolhemos impor aos seres humanos e outras espécies do futuro.

Por isso, não é tarde demais para impedir que o planeta aqueça ainda mais.

10) Como faço para lidar com o fato de que isso é deprimente?

É assustador, sim, mas também pode ser emocionante e inspirador.

Os seres humanos que vivem hoje têm a oportunidade e a responsabilidade de desempenhar um papel na salvação da civilização. Este é o maior perigo claro e presente que já fomos chamados a enfrentar.

Para usar a perspectiva da deputada americana Ocasio-Cortez, o momento que passamos é como se mobilizar para a Segunda Guerra Mundial, e todos podem desempenhar um papel, desde o heroísmo da linha de frente até a frente doméstica.

A diferença é que esta linha de frente está em todo lugar. E nessa guerra, a inação é uma escolha para ajudar e estimular o inimigo e continuar acelerando em direção ao precipício da catástrofe climática. Imagine se “a maior geração” tivesse se esquivado do esforço de guerra porque a Segunda Guerra Mundial parecia deprimente?

Como disse o escritor e ativista Bill McKibben, o “arco moral” da crise climática não é longo. Não temos tempo a perder, e cada atraso aumenta o sofrimento futuro e os custos futuros de mitigação de danos.

9) Não seria impossível eliminar os combustíveis fósseis? As emissões continuam subindo e as companhias de petróleo são muito poderosas.

A Alemanha registrou recentemente uma semana recorde, onde 65% de sua eletricidade veio de fontes renováveis. A Costa Rica funciona com energia renovável ​​por 300 dias. Mais de 50% da energia do Reino Unido vem agora de energia limpa.

É verdade que as empresas de carvão e petróleo – a oleoquímica – exercem um tremendo poder. Mas os interesses das grandes empresas foram vencidos por preocupações morais no passado.

A historiadora Jill Lepore nos lembra, em seu livro These Truths (Estas verdades, em tradução livre), que, na década de 1830, 1% dos americanos eram senhores de escravos, e então travamos uma Guerra Civil na qual a moralidade superou 1%. Ela também observa que você precisa de uma “revolução moral” para superar a “cegueira moral”, e essa é precisamente a fase na qual precisamos entrar agora.

Para os plutocratas que ganharam dinheiro fervendo a biosfera, a questão é: é do interesse real de alguém destruir o futuro de seus descendentes?

E para o resto de nós, é hora de insistir que toda empresa de combustíveis fósseis deve se ajustar à nova realidade moral e material. (A Exxon começou a construir plataformas de petróleo para resistir ao aumento do nível do mar décadas atrás; eles sabem que isso é real.)

8) Mas eu sou apenas uma pessoa. As minhas escolhas são importantes num mundo de 7 bilhões de pessoas?

O Vox defende que isso é “entender mal a maneira como a matemática funciona”.

Uma imagem útil aqui é uma pilha de areia em um lado de uma balança, perto do ponto de inflexão, é fácil ver que cada grão minúsculo de areia contribui, e o mesmo é verdade antes disso também. Sua pequena contribuição – o vôo opcional, o ar condicionado 24 horas por dia, a porção diária de carne – pode, aritmeticamente, somar para fazer uma diferença crítica.

Onde a imagem da balança falha é que não há apenas um ponto de inflexão, há um espectro, e quanto menos GEEs emitimos, mais próximo estaremos do extremo mais seguro do espectro.

Geralmente, temos opções em que podemos optar por ter mais ou menos impacto climático. Toda vez que escolhemos mais e não menos, estamos impondo ônus composto aos outros e aos nossos descendentes. Nossas escolhas determinarão se o futuro é “apenas sombrio, e não apocalíptico”, como escreve Wallace-Wells.

7) Por que eu deveria me privar de comer carne e viajar de avião? É da natureza humana buscar prazer a curto prazo.

Isso é repetidamente afirmado, mas é historicamente ignorante e facilmente refutado pelo comportamento de muitos de seus ancestrais recentes, argumenta o texto do Vox. A maioria dos nossos pais e avós fizeram sacrifícios e passaram por privações para nos ajudar.

E muitas culturas viveram com um olho no futuro e mantiveram a natureza como algo sagrado. Abstrações como “crescimento” e “economia global” distraem o fato de estarmos cometendo uma forma de suicídio coletivo e um ecocídio.

6) Este não é principalmente um problema das pessoas ricas e poderosas? Eu não sou rico.

Sim, os ricos impõem custos climáticos desproporcionalmente muito maiores, e precisarão fazer ajustes maiores

Mas quase todo mundo lendo isso é do ponto de vista global e histórico, “rico”. Nosso padrão de vida é melhor que 99% de todos os humanos que já viveram.

Escolher menos consumo não significa viver uma vida miserável. Pelo contrário, pode significar uma vida mais significativa e moral e que não destrua a oportunidade para futuros seres humanos terem uma vida decente.

Dito isto, muitos de nós têm um dever extra. Como Genevieve Guenther, fundadora da EndClimateSilence, recentemente twittou: “As pessoas com poder não devem se deixar enganar porque são meros ‘indivíduos’. Elas ajudam a produzir e a mudar a política com seu comportamento: jornalistas, celebridades, professores, políticos, investidores. , influenciadores de todos os tipos têm uma responsabilidade única ”.

A responsabilidade dos poderosos, dos privilegiados e dos afortunados é ajustar a forma como vivemos da maneira que todos nós precisamos viver para parar de fritar a biosfera.

5) Qual é a coisa mais fácil que posso fazer?

Eliza Barclay e Jag Bhalla, autores do texto da Vox, argumentam que essa é uma pergunta tentadora e aparentemente inteligente, mas esse tipo de pensamento é parte do problema.

Reduzir nosso uso pessoal de carbono e atuar politicamente em defesa da redução não pode ser apenas uma coisa que fazemos apenas algumas vezes e nos deixa livres para voltar à nossa rotina como de costume.

Em vez disso, devemos pensar nisso como uma prática vitalícia de escolher as opções com menos carbono, votar em líderes comprometidos seriamente com a questão climática e pressionar as instituições privadas e políticas a atingir emissões zero. Isso não significa fazer tudo de uma vez. Mas você pode influenciar as instituições às quais você está conectado – seu local de trabalho, escolas e hospitais – que não estão fazendo o suficiente.

4) O sistema político não está quebrado? Os líderes têm períodos de atenção de curto prazo. E muitos estão comprometidos com os interesses dos combustíveis fósseis.

Essa é uma questão que, no texto original, faz referência especificamente aos EUA, mas também faz sentido para países como o Brasil.  

Isso é tudo verdade. Mas os autores citam outro colaborador da Vox para rebater este ponto. “Como David Roberts, da Vox, disse: ‘Mudamos a política ou enfrentamos uma catástrofe’. Essa é a escolha que você faz ao se abster do esforço para mudar a política. O caminho para mudar a política, como argumenta Roberts, é com o poder das pessoas”:

“Você desenvolve uma visão de política que coloca as pessoas comuns no centro e dá a elas uma participação tangível no futuro do país, uma parcela de sua enorme riqueza e um papel a desempenhar em seu propósito maior. Em seguida, organize as pessoas em torno dessa visão e exija dos representantes eleitos. Se os representantes eleitos não insistirem, certifique-se de que eles sejam derrotados. (…) Essa é a única perspectiva que conheço para a ação climática em escala suficiente”.

3) Mas a descarbonização não custa muito? Não vai prejudicar a economia global?

A “lógica” dos economistas que afirmam que a transição para a energia limpa será muito cara é basicamente uma versão abstrata de “não podemos nos dar ao luxo de não queimar nossa casa”.

Não há nenhum benefício imediato que possa superar o risco de que nossos descendentes sofram ou não sobrevivam. Os autores argumentam que os números que os economistas usam são imprecisos, e isso teria uma parcela de culpa no caos em que estamos. “E eles são essencialmente ainda mais insignificantes em um mundo com problemas climáticos. Seus certificados de ações não ajudarão quando estivermos em Mad Max: Estrada da Fúria”, comparam.

O texto ainda lembra de um alerta feito por 34 banqueiros centrais e conservadores do setor financeiro americano, apoiando que o setor financeiro deve apoiar a transição para uma economia de baixo carbono e agir para evitar “um súbito colapso nos preços dos ativos”.

2) Você não está fazendo o que os economistas chamam de erros de “soma zero” (meu consumo não limita o seu, nós dois podemos ganhar no comércio “ganha-ganha”)?

Este é um argumento amplamente usado, mas pouco compreendido. A Terra é literalmente limitada. Embora os economistas gostem de usar abstrações como “utilidade” e “crescimento” em seus modelos, cada recurso real é limitado (assim como a capacidade da biosfera da Terra de se ajustar à nossa poluição “ilimitada”).

Isso significa que há verdadeiras compensações: nosso uso de milho para engordar gado em países ricos significa que menos milho pode ser usado para alimentar pessoas em outros lugares. E em todos os momentos a alocação de recursos é precisamente a soma zero, por definição. (A torta futura pode mudar e pode muito bem diminuir, mas a torta de hoje tem um tamanho fixo e suas fatias são de soma zero. Se você receber mais, outros receberão menos).

E há um problema de soma zero que não foi enfrentado. Nosso consumo excessivo reduz a disponibilidade de recursos, como água e solo, no futuro. O colunista do Guardian, George Monbiot, relata que as taxas de degradação do solo significam que temos apenas 60 anos de colheitas sob as práticas atuais.

Como Anand Giridharadas, autor de Winners Take All (Vencedores ficam com tudo), explicou, o crescimento “ganha-ganha” frequentemente esconde uma lógica muito obscura. Na prática, isso significa que a pobreza só pode ser reduzida se os ricos também ganharem dinheiro com isso. Em um mundo que reconhece as realidades dos limites de recursos, precisamos fazer mais compensações morais que não favoreçam os interesses dos ricos e poderosos de hoje.

1) Certamente os especialistas vão inventar algo que nos salve

Só porque algo é necessário não significa que será inventado. Há quanto tempo estamos trabalhando em uma cura para o resfriado?

Tecnologia como painéis solares, baterias e captura direta de ar são essenciais para a transição de energia limpa, mas também precisamos limitar nosso consumo. Para fazer isso, o contrário é uma roleta russa global tola com a nossa sobrevivência em jogo. [Vox]

Fonte: Hypescience


Créditos: Ambiente Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *